Teorias do multiverso são ruins para a ciência

Crédito: Igor Sokalski via Getty Images.

Por John Horgan
Publicado na Scientific American

Em 1990, escrevi um pouco para a Scientific American sobre se nosso cosmos poderia ser apenas um em uma “infinidade”, como várias teorias da física implicavam. Intitulei o meu ensaio de Here a Universe, There a Universe… e mantive o tom leve, porque não queria que os leitores levassem essas conjecturas cósmicas muito a sério. Afinal, não tinha como provar ou refutar a existência de outros universos.

Atualmente, os físicos ainda carecem de evidências de outros universos, ou mesmo de boas ideias para obter evidências. Muitos, no entanto, insistem que nosso cosmos é realmente apenas um monte de poeira em um vasto “multiverso”. Um teórico especialmente eloquente e apaixonado do multiverso é Sean Carroll. Sua fé no multiverso deriva de sua fé na mecânica quântica, que ele vê como a nossa melhor explicação da realidade.

Em seu livro Something Deeply Hidden, Carroll afirma que a mecânica quântica descreve não apenas coisas elementares, mas tudo, inclusive nós. “Até onde sabemos atualmente”, ele escreve, “a mecânica quântica não é apenas uma aproximação da verdade, é a verdade”. E, por mais absurdo que pareça, um multiverso, Carroll argumenta, é uma consequência inevitável da mecânica quântica.

Para argumentar, ele nos leva profundamente ao surreal mundo quântico. Nosso mundo! A equação quântica básica, chamada função de onda, mostra uma partícula – digamos, um elétron – que habita muitas posições possíveis, com probabilidades diferentes atribuídas a cada uma. Aponte um instrumento para o elétron para determinar onde ele está e você o encontrará em apenas um lugar. Você pode razoavelmente supor que a função de onda é apenas uma aproximação estatística do comportamento do elétron, o que não pode ser mais preciso porque os elétrons são pequenos e nossos instrumentos brutos. Mas você estaria errado, de acordo com Carroll. O elétron existe como uma espécie de desfoque probabilístico até que você o observe, quando “entra em colapso”, no jargão da física, em uma única posição.

Há quase um século, os físicos e filósofos discutem sobre esse “problema da medição”. Várias outras explicações foram propostas, mas a maioria é implausível, tornando a consciência humana um componente necessário da realidade, ou exigindo estranhamente ajustes ad hoc da função de onda. A única solução que faz sentido para Carroll – porque preserva a mecânica quântica em sua forma mais pura – foi proposta em 1957 por um estudante de graduação de Princeton, Hugh Everett III. Ele conjeturou que o elétron realmente ocupa todas as posições permitidas pela função de onda, mas em universos diferentes.

Essa hipótese, que passou a ser chamada de teoria dos muitos mundos, foi refinada ao longo das décadas. Já não envolve atos de medição ou consciência (desculpe os proponentes da Nova Era). O universo supostamente se divide, ou se ramifica, sempre que uma partícula quântica se agita contra outra, fazendo com que suas funções de onda colapsem. Esse processo, chamado de “decoerência”, acontece o tempo todo, em qualquer lugar. Está acontecendo com você agora. E agora. E agora. Sim, zilhões de seus doppelgangers (cópias de você) estão lá fora neste exato momento, provavelmente se divertindo mais do que você. Perguntado por que não nos sentimos divididos, Everett respondeu: “Você sente o movimento da Terra?”

Carroll aborda o problema da evidência, mais ou menos. Ele diz que o filósofo Karl Popper, que popularizou a noção de que as teorias científicas deveriam ser precisas o suficiente para serem testáveis ​​ou falseáveis, “tinha coisas boas a dizer sobre” a hipótese de Everett, chamando-a de “uma discussão completamente objetiva da mecânica quântica”. (Popper, devo acrescentar, tinha dúvidas sobre a seleção natural, então seu gosto não era irrepreensível.)

Carroll propõe ainda que, como a mecânica quântica é falseável, a hipótese de muitos mundos “é a teoria mais falseável já inventada” – mesmo que nunca possamos observar diretamente nenhum desses muitos mundos. O termo “muitos”, a propósito, é um eufemismo. Carroll calcula que o número de universos criados desde o Big Bang é de 2 à potência de 10 à potência de 112. Como eu disse, uma infinidade.

E esse é apenas o multiverso de muitos mundos. Os físicos propuseram multiversos ainda mais estranhos, que o escritor de ciência Tom Siegfried descreve em seu livro The Number of the Heavens. A teoria das cordas, que postula que todas as forças da natureza se originam de coisinhas retorcidas em nove ou mais dimensões, implica que nosso cosmos é apenas uma colina em uma “paisagem” de universos, alguns com leis e dimensões radicalmente diferentes das nossas. A inflação caótica, uma versão sobrecarregada da teoria do Big Bang, sugere que nosso universo é uma bolha minúscula em um mar sem limites e espumoso.

Além de descrever esses e outros multiversos, Siegfried fornece uma história da ideia de outros mundos, que remonta aos gregos antigos. (Existe algo que eles não pensaram primeiro?) Reconhecendo que “ninguém pode dizer com certeza” se existem outros universos, Siegfried professa neutralidade em sua existência. Mas ele continua construindo uma defesa quase comicamente partidária do multiverso, declarando que “faz muito mais sentido existir um multiverso do que não existir”.

Siegfried culpa a resistência histórica ao conceito de outros mundos em Aristóteles, que “argumentou com a certeza vulcânica” que a Terra é o único mundo. Como Aristóteles estava errado sobre isso, Siegfried parece sugerir, talvez os céticos modernos do multiverso também estejam errados. Afinal, o universo conhecido se expandiu enormemente desde a época de Aristóteles. Há apenas um século, aprendemos que a Via Láctea é apenas uma das muitas galáxias.

O próximo passo lógico, afirma Siegfried, seria descobrirmos que todo o nosso cosmos é um dos muitos. Optando por rejeitar os céticos que chamam as teorias do multiverso de “não científicas” porque não são testáveis, Siegfried retruca que os céticos não são científicos, porque estão “pressupondo uma definição de ciência que descarta os multiversos”. Ele chama os céticos de “negacionistas” – o termo geralmente associado a dúvidas sobre coisas reais, como vacinas, mudanças climáticas e o Holocausto.

Não sou um negador do multiverso, assim como não sou um negador de Deus. A ciência não pode resolver a questão da existência de Deus ou do multiverso, tornando o agnosticismo a única posição sensata. Vejo algum valor nas teorias do multiverso. Particularmente, quando apresentadas por um escritor tão talentoso como Sean Carroll, elas estimulam nossa imaginação e nos dão sugestões de infinito. Elas nos fazem sentir muito, muito pequenos – em um bom sentido.

Mas sou muito menos entretido pelas teorias do multiverso do que antes, por algumas razões. Primeiro, a ciência está em declínio, por razões internas e externas. A ciência é mal servida quando pensadores proeminentes divulgam ideias que nunca podem ser testadas e, portanto, são, infelizmente, não científicas. Além disso, em uma época em que nosso mundo, o mundo real, enfrenta sérios problemas, refugiar-me em multiversos parece escapismo – semelhante a bilionários fantasiando sobre como colonizar Marte. Os cientistas não deveriam fazer algo mais produtivo com o tempo?

Talvez em outro universo, Carroll e Siegfried tenham me convencido a levar multiversos a sério, mas duvido.

CONTINUAR LENDO