Um tipo anteriormente desconhecido de humano antigo foi descoberto no Levante

0
110
Os ossos de Nesher Ramla. Crédito: Universidade de Tel Aviv.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

Mais de 120.000 anos atrás, no Levante, o Homo sapiens vivia lado a lado com um tipo de humano antigo que não conhecíamos – até agora.

Isso está de acordo com novas evidências fósseis deste humano descobertas por arqueólogos – fragmentos de ossos de crânio e mandíbula antigos, e dentes, que parecem encaixar tanto no crânio de Neandertal quanto no Homo sapiens, mas também… em nenhum.

Este tipo de hominídeo recém-descoberto pode ser o ancestral das populações de Neandertal na Europa, respondendo ao mistério de como essas populações foram introduzidas ao DNA de H. sapiens antes de sua chegada a essas regiões. Eles também parecem ser um ancestral das populações de Homo arcaicas na Ásia.

Os arqueólogos chamaram o nova espécie humana antiga de povo de Nesher Ramla, em homenagem ao sítio arqueológico de escavação em Israel onde foram descobertos.

“A descoberta de um novo tipo de Homo é de grande importância científica”, disse o antropólogo Israel Hershkovitz, da Universidade de Tel Aviv em Israel, principal autor de um estudo que descreve os ossos.

“Isso nos permite dar um novo sentido aos fósseis humanos encontrados anteriormente, adicionar outra peça ao quebra-cabeça da evolução humana e compreender as migrações dos humanos no mundo antigo. Mesmo que eles tenham vivido há muito tempo, no final do Pleistoceno médio (474.000 -130.000 anos atrás), o povo de Nesher Ramla pode nos contar uma história fascinante, revelando muito sobre a evolução e o modo de vida de seus descendentes”.

Os restos mortais foram escavados cerca de 8 metros abaixo do solo, no sítio ao ar livre de Nesher Ramla. Lá, os arqueólogos encontraram um grande esconderijo de fósseis – principalmente de ossos de animais, mas também algumas ferramentas de pedra – e alguns fragmentos intrigantes de ossos humanos antigos.

Eles consistiam de ossos parietais – o topo e as laterais do crânio – e uma mandíbula quase completa, incluindo um molar completo e a maioria das raízes dentais. Os pesquisadores dataram esses restos mortais entre 140.000 e 120.000 anos atrás.

A reconstrução virtual, a análise e a comparação desses ossos com outros ossos fossilizados de hominídeos revelaram algo interessante. A mandíbula e os dentes pareciam mais as mandíbulas e os dentes dos neandertais; mas os ossos parietais eram mais semelhantes aos do Homo arcaico.

Reconstrução do crânio. Crédito: Universidade de Tel Aviv.

Além disso, o crânio reconstruído era muito diferente daquele de H. sapiens, com dentes maiores, uma estrutura craniana diferente e sem queixo. A descoberta sugere uma das últimas populações sobreviventes de Homo do Pleistoceno Médio na região, cerca de 400.000 anos atrás.

Após a chegada do H. sapiens há 200.000 anos, os dois tipos de humanos compartilharam o Levante por cerca de 100.000 anos, disseram os pesquisadores.

“Esta é uma descoberta extraordinária”, disse o arqueólogo Yossi Zaidner, da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, autor principal de um segundo estudo que descreve o contexto cultural do conjunto de fósseis.

“Nunca tínhamos imaginado que ao lado de H. sapiens, o Homo arcaico vagava pela área tão recentemente na história humana. Os achados arqueológicos associados a fósseis humanos mostram que o Homo de Nesher Ramla possuía tecnologias avançadas de produção de ferramentas de pedra e muito provavelmente interagiu com o H. sapiens local”.

Os ossos não produziram DNA que permitiria uma descrição mais exata do povo de Nesher Ramla, mas os pesquisadores acreditam que sua descoberta tem implicações importantes para nossa compreensão da emergência e migração dos hominídeos.

Uma vez que o Levante conecta a Ásia, a África e o Mediterrâneo, os humanos que migraram entre essas regiões teriam passado por lá, tornando-se um ponto de foco potencial para o encontro de espécies.

“Nossas descobertas indicam que os famosos Neandertais da Europa Ocidental são apenas remanescentes de uma população muito maior que viveu aqui no Levante – e não o contrário”, disse Hershkovitz.

Os pesquisadores também encontraram semelhanças com outros fósseis que já haviam confundido os cientistas, porque eles não se encaixavam perfeitamente nas categorias de Neandertal ou Homo. Os fósseis da caverna Tabun de 160.000 anos atrás, da caverna Zuttiyeh de 250.000 anos atrás e da caverna de Qesem de 400.000 anos atrás também podem pertencer ao povo de Nesher Ramla.

Se for esse o caso, as descobertas também podem resolver o mistério de uma população “desaparecida” de Neandertais, que se acasalou com H. sapiens há mais de 200.000 anos, antes da chegada deste último à Europa. Os traços dessa antiga associação no DNA do Neandertal europeu deixaram os cientistas intrigados.

“Os fósseis mais antigos que mostram características de Neandertal são encontrados na Europa Ocidental, então os pesquisadores geralmente acreditam que os Neandertais se originaram lá. No entanto, as migrações de diferentes espécies do Oriente Médio para a Europa podem ter fornecido contribuições para o fundo genético do Neandertal durante o curso de sua evolução”, disse o antropólogo Rolf Quam, da Universidade de Binghamton, nos Estados Unidos.

“Esta é uma história complicada, mas o que estamos aprendendo é que as interações entre as diferentes espécies humanas no passado eram muito mais complexas do que imaginávamos anteriormente”.

Os estudos foram publicados na revista Science, aqui e aqui.