Acupuntura a laser: placebo high-tech

0
43
Crédito: Skeptical Inquirer.

Por Sebastien Point
Publicado na Skeptical Inquirer

O laser é uma das maravilhas tecnológicas inventadas durante o século passado. Foi precisa a genialidade de Einstein e Kastler, então a competição entre muitas mentes brilhantes da época, incluindo Townes, Schawlow, Maiman e Gould, para emitir o primeiro feixe de laser de um rubi em 1960. Desde então, as aplicações têm aumentado continuamente em vários campos de pesquisa, indústria e medicina. Mas o laser também foi apropriado para impulsionar uma prática tanto ancestral quanto ineficiente: a acupuntura.

Uma tecnologia avançada

Um laser é produzido pela radiação eletromagnética com luz coerente no espaço e no tempo, o que significa que a energia é transportada em uma única frequência dentro de um feixe de luz muito estreito. Os lasers são usados ​​em muitas disciplinas médicas. Dependendo de suas características e alvo, um feixe de laser pode causar quatro tipos de efeitos nos tecidos biológicos:

  • Efeito térmico, que explora a capacidade da radiação de ser absorvida e transformada em calor pelos tecidos biológicos. Este tipo de efeito é utilizado principalmente no tratamento de lesões vasculares superficiais, como os angiomas.
  • Efeito fotoquímico, explorado na terapia fotodinâmica, que consiste em injetar no paciente uma substância fotossensível que se liga facilmente aos lipídios das células, que, expostas ao laser, passam a ser o local das reações químicas que provocam sua destruição. O fenômeno é usado para matar células cancerosas.
  • Efeito mecânico, que surge quando a intensidade dos campos elétricos de luz é suficiente para criar localmente um microplasma e uma onda de choque que rompe os tecidos biológicos. Este efeito é usado em urologia, por exemplo, para destruir pedras nos rins.
  • Efeito fotoablativo, relacionado à capacidade das proteínas de absorver as radiações ultravioleta e de fotodissociar. A fotoablação é usada, por exemplo, em cirurgia ocular para corrigir a curvatura da córnea.

Esses quatro fenômenos por si só podem explicar todos os mecanismos envolvidos em uma intervenção do laser no corpo humano. Ou quase todos…

As informações na Internet dirão que existe uma nova terapia conhecida como TLBI, ou terapia a laser de baixa intensidade (e também conhecida pela sigla em inglês LLLT). No PubMed, o principal mecanismo de pesquisa bibliográfica em biologia e medicina, digitar a palavra-chave “LLLT” fornecerá uma lista de vários milhares de artigos de pesquisa dedicados ao comportamento de nossas células sob baixa irradiação de laser e a aplicação especialmente adaptada para o tratamento contra o câncer (por exemplo, Robijns et al. 2017) ou gerenciamento da dor (por exemplo, Clijsen et al. 2017). É preciso cautela, entretanto, porque esses estudos nem sempre são muito sólidos. Por exemplo, em relação ao tratamento de TLBI de úlceras de pressão, uma análise recente dos dados disponíveis (Machado et al. 2017) considerou apenas quatro artigos de 386 válidos.

O efeito da baixa irradiação do laser é, portanto, um assunto de pesquisa clínica, mas a relevância e eficácia dos tratamentos, ou os mecanismos de possíveis ações, não estão firmemente estabelecidos cientificamente. Mas bastou alguns considerarem o laser uma ferramenta para tudo para incluí-lo nas pseudoterapias mais ineficientes.

Servindo o propósito de uma terapia ancestral

É o caso da acupuntura a laser, uma forma especial de acupuntura que usa laser em vez de agulhas para estimular os pontos de acupuntura, o que seria ideal para quem tem medo de agulhas ou quando o agulhamento é contraindicado. Seria, particularmente, útil para tratar artrite, síndrome do túnel do carpo, eczema, herpes, zumbido, infecções de ouvido, rugas faciais, tabagismo, etc. Esta lista de indicações variadas já deixaria você confuso quanto à validade desta prática. Os defensores da acupuntura a laser podem garantir que existem alguns estudos que comprovam sua eficácia. Por exemplo, uma análise publicada no Journal of Acupuncture and Meridian Studies, que inclui estudos de “aplicação de radiação laser de baixa intensidade (isto é, intensidades não térmicas) para os pontos clássicos dos meridianos ou pontos-gatilho” (Baxter et al. 2008), com o objetivo, nomeadamente, de identificar os parâmetros de tratamento relevantes e de propor o aperfeiçoamento de protocolos.

Outro exemplo é um artigo de um médico, publicado no jornal francês Acupuncture & Moxibustion, que afirma elencar os efeitos anti-inflamatórios, analgésicos e antialérgicos dos lasers de acordo com os comprimentos de onda ou a quantidade de energia depositada nos pontos de acupuntura (Stephan 2014). É o suficiente para convencer os pacientes em sofrimento de que a acupuntura a laser é um verdadeiro ramo da medicina baseada em evidências e que sua validade terapêutica foi demonstrada, especialmente porque muitos centros de “saúde” agora oferecem tratamentos de acupuntura a laser, encorajando o argumento de que o tratamento foi cientificamente demonstrado.

Os centros destacam inúmeros depoimentos de ex-pacientes que, graças à acupuntura a laser, teriam conseguido parar de fumar ou tratar a dor lombar, nevralgia ou fibromialgia. Para pessoas que sofrem da síndrome do jaleco branco, tendo medo de entrar em tal centro de “saúde”, é até possível alugar ou comprar lasers de acupuntura, alguns dos quais têm um “localizador de acupuntura integrado que localiza de forma simples e precisa os pontos de acupuntura na superfície da pele, mesmo para leigos” (Biolas soft laser para acupuntura a laser em Praxisdienst).

O efeito da ‘Torre de Pisa’

Infelizmente, para seus defensores, a acupuntura a laser sofre de uma falha característica das pseudoterapias, que chamo de efeito “Torre de Pisa”: a arquitetura é chamativa, mas as fundações são frágeis e a construção acabará por desmoronar sozinha. A acupuntura a laser, que busca demonstrar sua eficácia por meio de publicações em periódicos revisados ​​por pares, é baseada em uma suposição desatualizada: a de que existem pontos ao longo dos meridianos por onde flui a energia vital e que a estimulação desses pontos pode ter um efeito terapêutico no ser humano. Mas nem os meridianos nem a energia vital têm base científica. Como Harriet Hall (2016; 2019) e outros apontaram na Skeptical Inquirer, os cuidados com a acupuntura são um efeito placebo teatralizado. A acupuntura a laser é apenas uma versão de alta tecnologia desse teatro terapêutico.

Portanto, discussões técnicas complexas sobre, por exemplo, a fluência ideal do laser [1] para aplicar em pontos de acupuntura a fim de provocar alguns efeitos positivos na saúde apenas indicam ignorância de como a ciência funciona. A ciência avança pela confirmação ou refutação de hipóteses testáveis ​​e considera válidas apenas as teorias apoiadas por evidências. Nunca as evidências demonstraram a realidade anatômica dos pontos de acupuntura. Portanto, buscar determinar as melhores formas de estimulá-los é como tentar melhorar o desenho de chaminés para facilitar a passagem do Papai Noel.

A pseudociência tem sido um “sequestrador” antigo e frequente das novas tecnologias; no início do século XX, o fervor em torno das tecnologias elétricas emergentes levou ao projeto de dispositivos absurdos e peculiares, incluindo tubos de raios roxos destinados a curar asma ou obesidade. Um século depois, tem gente que afirma curar tudo e qualquer coisa com a acupuntura a laser, uma tecnologia mais atual. Embora o material tenha mudado, o resultado permanece o mesmo: fictício, exceto talvez pela carteira e ego de alguns pseudoterapeutas.

Observação

  1. Fluência é a energia depositada pela radiação laser por unidade de área.

Referências

  • Baxter, G.D., et al. 2008. Clinical effectiveness of laser acupuncture: A systematic review. Journal of Acupuncture Meridian Studies 1(2): 65-82.
  • Clijsen, R., et al. 2017. Effects of low-level laser therapy on pain in patients with musculoskeletal disorders. A systemic review and meta-analysis. European Journal of Physical Rehabilative Medicine. doi:10.23736/S1973-9087.17.04432-X”.
  • Hall, H. 2016. Stick it in your ear! How not to do science. Skeptical Inquirer 40 (3) (Maio/Junho). Disponível em: https://skepticalinquirer.org/2016/10/stick_it_in_your_ear_how_not_to_do_science/.
  • __________. 2019. Science envy in alternative medicine. Skeptical Inquirer 43(4) (Julho/Agosto): 21-23.
  • Machado, R.S., et al. 2017. Low-level laser therapy in the treatment of pressure ulcers: Systematic review. Lasers in Medical Science. doi:10.1007/sl0103-017-2150-9.
  • Robijns, et al. 2017. The use of low-level light therapy in supportive care for patients with breast cancer: Review of the literature. Lasers in Medical Science 32 (1): 229-242.
  • Stephan, Jean-Marc. 2014. Laser de faible puissance et utilization en acupuncture. Acupuncture & Moxilmstion 13(2). Disponível online em: www.meridiens.org/acuMoxi/treizedcux/STEPHAN-LASER.pdf.