Ayurveda: superstição antiga, não ciência

0
151
Crédito: Adobe Stock.

Por Harriet Hall
Publicado na Skeptical Inquirer

A medicina alternativa inclui modalidades como acupuntura e quiropraxia que são amplamente difundidas, apesar das evidências de sua eficácia estarem longe de ser convincentes. Também inclui sistemas de tratamento menos conhecidos. Nos Estados Unidos, a prática do Ayurveda não é licenciada ou regulamentada por nenhum estado, embora Deepak Chopra tenha feito muito para divulgá-la. É apresentado em livros didáticos de naturopatia e empregado por vários profissionais de “medicina funcional” e “medicina integrativa”.

Você pode se perguntar:

  • Posso presumir que os remédios ayurvédicos são seguros?
  • Sua eficácia foi comprovada cientificamente em ensaios clínicos bem elaborados?
  • O fundamento lógico por trás disso faz sentido?

As respostas curtas para essas perguntas são não, quase nunca e de jeito nenhum!

Ayurveda é um sistema de medicina que se originou na Índia e ainda é popular por lá. Oitenta por cento da população da Índia e do Nepal fazem uso do Ayurveda. Se a medicina ayurvédica for realmente eficaz, pode-se esperar que indianos e nepaleses sejam mais saudáveis ​​e vivam mais do que os seguidores e usuários de outros sistemas médicos. Eles não são, e eles não vivem. (É certo que outros fatores podem entrar em jogo, como fatores genéticos e socioeconômicos.)

O conceito de “sabedoria ancestral” implica que qualquer tratamento que existe há séculos e ainda está sendo usado deve ser eficaz, ou as pessoas teriam parado de usá-lo. Não é assim. A astrologia é antiga e as pessoas ainda acreditam nela. Elas consultam horóscopos para orientar suas vidas. A psicologia tem muitas explicações para o motivo pelo qual as pessoas podem persistir em acreditar em coisas que não são verdadeiras: pressão dos colegas, costume, atribuições falsas, esperança irracional, memória seletiva, viés de confirmação e muito mais. Astrologia não é sabedoria ancestral; é um absurdo antigo sem base na realidade.

O Ayurveda é pré-científico e, por definição, pré-histórico. A história só começou quando as pessoas começaram a escrever as coisas. As crenças ayurvédicas foram transmitidas oralmente durante séculos antes de serem postas por escrito. Acredita-se que seus três textos principais datem de 600 a.C., mas historiadores recentes acreditam que foram escritos entre o segundo e o quinto séculos d.C. Isso os torna obviamente pré-científicos; a ciência é um desenvolvimento recente. Durante a maior parte da existência humana, não tivemos nenhuma maneira sistemática de testar nossas crenças contra a realidade.

A origem do Ayurveda é basicamente religiosa. “Diz-se que o Ayurveda é uma ciência eterna que existiu pela primeira vez na consciência universal (Brahma) antes de ser passada do criador aos antigos místicos indianos através da meditação” (Associação Nacional de Medicina Ayurvédica [s.d.a.]).

Os primeiros pensadores tentaram dar sentido a seu mundo e categorizar as coisas. Eles adivinharam corretamente que as coisas que viam eram feitas de coisas que eles não podiam ver, mas eles não sabiam sobre átomos, moléculas ou a tabela periódica. Os antigos gregos imaginavam quatro humores: sangue, bílis negra, bílis amarela e fleuma. Eles pensavam que os humores explicavam diferentes características da personalidade humana (por exemplo, a melancolia era causada por um excesso de bílis negra) e os associavam aos quatro elementos: terra, fogo, ar e água; as estações; e as propriedades de quente, frio, úmido e seco. Os antigos chineses imaginavam que cinco elementos (madeira, fogo, terra, metal e água) eram os componentes básicos de tudo no universo. Eles classificaram as pessoas por seus elementos predominantes e pensaram que os elementos determinavam traços de personalidade.

Os antigos indianos imaginavam cinco grandes elementos (éter, ar, fogo, água e terra), e o Ayurveda os agrupa em três tipos básicos de energia e princípios funcionais: os doshas Vata, Pitta e Kapha. Cada dosha é subdividido em cinco tipos. Por exemplo, Sadhaka Pitta, localizado no coração, “governa emoções como contentamento, memória, inteligência e digestão de pensamentos”. E o Kledaka Kapha, localizado no estômago, “governa a umidificação e liquefação dos alimentos nos estágios iniciais da digestão” (Associação Nacional de Medicina Ayurvédica [s.d.a.]).

Cada dosha compreende dois dos cinco elementos básicos, cada um com qualidades específicas (Universidade de Minnesota [s.d.]). Esses elementos são:

  • Espaço (associado à expansividade)
  • Ar (associado a gases, mobilidade e ausência de forma)
  • Fogo (associado à transformação, calor e fogo)
  • Água (associada a liquidez e instabilidade)
  • Terra (associado à solidez e estabilidade)

Além disso, cada dosha está associado a uma “constituição” ou forma corporal específica e a certos traços de personalidade. O Ayurveda também vincula cada dosha a tipos específicos de problemas de saúde (Universidade de Minnesota [s.d.]).

O Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa (NCCIH, antigo NCCAM) dos EUA geralmente apoia a medicina alternativa e financia ensaios clínicos para estudá-la, mas sua página de informações sobre Ayurveda é bastante negativa. Ele diz que, embora 240.000 estadunidenses usem Ayurveda, “apenas um pequeno número de ensaios clínicos usando essas abordagens foi publicado em revistas médicas ocidentais… e poucos ensaios clínicos bem elaborados e revisões sistemáticas de pesquisa sugerem que as abordagens ayurvédicas são eficazes” (Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa [s.d.]). Os estudos que eles listam sugerindo benefícios para artrite, diabetes e colite ulcerosa não inspiram confiança. Eles são pequenos estudos piloto preliminares que não foram replicados. Um estudo teve apenas dez indivíduos. O NCCIH questiona a segurança do Ayurveda, apontando que muitas preparações ayurvédicas contêm níveis tóxicos de metais pesados.

Os sintomas são comumente associados a um desequilíbrio dos doshas. O excesso de Vata causa distúrbios mentais, nervosos e digestivos, incluindo baixa energia e enfraquecimento de todos os tecidos do corpo. O excesso de Pitta faz com que o sangue tóxico provoque inflamação e infecção. O excesso de Kapha está associado a um aumento de muco, peso, edema e doenças pulmonares. O Ayurveda alega melhorar a saúde equilibrando os doshas. Não há nenhuma evidência para apoiar essas afirmações. Até a categorização dos doshas é suspeita. Eu respondi a três questionários online que prometiam me dizer qual dosha eu era, e obtive três resultados diferentes.

A Associação Nacional de Medicina Ayurvédica (NAMA) diz:

Aproveitando esses princípios básicos, o Ayurveda personaliza o bem-estar preventivo de acordo com a constituição única de cada indivíduo […] Além disso, o Ayurveda oferece um dos protocolos de limpeza mais abrangentes do mundo, conhecido como panchakarma. Essa prática antiga usa cinco terapias primárias para liberar e eliminar as toxinas acumuladas nas profundezas dos tecidos e fazer com que os doshas voltem a seus lugares adequados no corpo. (Associação Nacional de Medicina Ayurvédica [s.d.b.])

A NAMA afirma que o Ayurveda é uma ciência, “a ciência da vida”, que “funciona para harmonizar nossos mundos interno e externo” (Associação Nacional de Medicina Ayurvédica [s.d.b.]). Mas nenhuma evidência científica foi encontrada em seu site.

E fica ainda mais ridículo. Aqui está uma descrição dos textos ayurvédicos do catálogo de 1995 da Quantum Publications:

Os antigos textos ayurvédicos descrevem cada erva como um pacote de vibrações que correspondem especificamente a uma vibração do corpo da mecânica quântica. Todos os órgãos do corpo, por exemplo, o fígado, o estômago e o coração, são constituídos por uma sequência específica de vibrações no nível quântico. No caso de um mau funcionamento, alguma interrupção da sequência adequada nessas vibrações é a responsável. De acordo com o Ayurveda, existe uma erva com essa mesma sequência e, quando aplicada, pode ajudar a restaurar o funcionamento do órgão. (apud Barrett, 2012)

Não há boas evidências de que o Ayurveda seja eficaz no tratamento de qualquer doença (Cancer Research UK [s.d.]). Os primeiros praticante provavelmente encontraram alguns tratamentos eficazes por acaso, mas sem testes científicos não temos como saber quais.

Questões de segurança

Além dos danos indiretos por atrasar ou rejeitar tratamentos eficazes baseados na ciência, a prática da medicina ayurvédica apresenta danos diretos. O Instituto Sharp de Deepak Chopra foi processado em 1995 (Barrett, 2012). Chopra havia realizado o diagnóstico pelo pulso em um paciente e fornecido um mantra para “tratamento de som quântico”, e outro funcionário do Instituto (Triguna, que não era um profissional de saúde licenciado) prescreveu vários tratamentos ayurvédicos. Triguna disse ao paciente que sua leucemia havia sumido, mas não; ele morreu quatro meses depois (Barrett, 2012).

Numerosos estudos descobriram que 20% ou mais dos medicamentos ayurvédicos contêm níveis tóxicos de metais pesados ​​arsênico, chumbo e mercúrio. E um estudo de 2015 encontrou níveis elevados de chumbo no sangue de 40 por cento dos usuários. Numerosos casos de envenenamento por chumbo devido a remédios ayurvédicos foram relatados na literatura médica (Barrett, 2012).

Os tratamentos ayurvédicos incluem conselhos sobre dieta, descanso, medicamentos específicos, ervas medicinais, massagem, meditação, ioga, limpeza do intestino (enemas, vômitos forçados, laxantes, etc.), extração de óleo, raspagem da língua, lavagem dos olhos, pós de espirrar, sangria terapêutica, ventosaterapia e muito mais.

De acordo com Kurt Butler, autor de A Consumer’s Guide to “Alternative Medicine”:

As crenças e práticas da medicina ayurvédica se enquadram em três categorias: (1) algumas que são óbvias, bem estabelecidas e amplamente aceitas por pessoas que nunca ouviram falar do Ayurveda [por exemplo, relaxe e não coma demais]; (2) alguns que a pesquisa adequada pode eventualmente provar ser válida e útil [remédios fitoterápicos podem conter drogas úteis, mas seus perigos e limitações muitas vezes não foram investigados cientificamente]; (3) ideias absurdas, algumas das quais são perigosas [por exemplo, que a maioria das doenças e azar se deve a demônios, diabos e à influência de estrelas e planetas; ou que você deve tratar catarata escovando os dentes, raspando a língua, cuspindo em um copo d’água e lavando os olhos por alguns minutos com essa mistura]. (Butler, 1992)

Cirurgia indiana antiga

Não era de todo ruim. Os antigos médicos hindus eram bons cirurgiões. Eles introduziram técnicas de cirurgia plástica para reconstruir o nariz de pessoas cujos narizes foram amputados na pena do adultério. Eles removeram pedras na bexiga. Eles drenaram abscessos, fizeram enxertos de pele, removeram corpos estranhos, imobilizaram fraturas, suturaram feridas, realizaram amputações e consertaram fístulas anais. Eles até fizeram cesáreas, salvando os bebês (mas não as mães). Eles trataram catarata através do “couching”, deslocando o cristalino para melhorar a visão. O couching foi descrito como “uma técnica amplamente malsucedida com resultados abismais“. Para alguns pacientes, melhora a capacidade de sentir a luz e o movimento, mas os pacientes ainda precisam de lentes de prescrição potentes e 70% deles ficam efetivamente cegos (Couching (ophthalmology), 2020).

Dietas à base de Dosha

Não é de surpreender que o site irresponsável Goop de Gwyneth Paltrow tenha informações extensas sobre o Ayurveda e instruções elaboradas sobre como comer de acordo com seu dosha. A informação vem do consultor médico ayurvédico de Paltrow, conhecido apenas como Dr. Chandan. Diz-se que os voltados ao Vata são espaciais e ansiosos, com mentes ativas. Suas qualidades são “frios, leves, irregulares, ásperos, comoventes, rápidos e sempre mutáveis”. Eles adoram empolgações e novas experiências, são conversadores animados e abertos para a raiva, mas também para perdoar. Eles têm uma estrutura fina e leve e mãos e pés frios; eles também têm sono leve e uma digestão sensível (Chandan e Sharma [s.d.]).

Os voltados ao Vata são aconselhados a fazer massagens ayurvédicas regulares, manter-se aquecido, dormir o suficiente e minimizar as viagens. Como o Vata é um dosha frio e seco, alimentos quentes e nutritivos são bons, incluindo leite quente, nata, manteiga, sopas quentes, cereais quentes, pão fresco, nozes cruas e manteigas de nozes. Os voltados ao Vata deve tomar um chá quente ou de ervas com lanches no final da tarde. Todas as frutas doces são aceitáveis, assim como especiarias, incluindo canela, cardamomo, cominho, gengibre, cravo e alho. A evitar: alimentos frios, saladas, bebidas geladas, vegetais crus, verduras, frutas verdes (que são muito adstringentes), muita cafeína e doces. Todos os laticínios são aceitáveis. Os melhores grãos são aveia e arroz cozidos. As melhores carnes são frango, frutos do mar e peru em pequenas quantidades (Chandan e Sharma [s.d.]).

Ayurveda é um ode à imaginação dos primeiros pensadores que tentaram dar sentido a seu mundo. Mas se você acredita que a realidade é importante, as imaginações pré-científicas e pré-históricas não são uma escolha racional para os cuidados de saúde.

Referências