Bert Hellinger e a farsa da constelação familiar

0
287

Por Robert Todd Carroll
Publicado no The Skeptic’s Dictionary

Bert Hellinger (1925–2019) foi um psicoterapeuta alemão que estudou psicanálise, terapia gestalt e análise transacional após deixar o sacerdócio católico. Ele passou 20 anos como padre, principalmente na África do Sul como pároco, diretor e professor de ensino médio e missionário para o povo zulu. Ele é o autor de cerca de 30 livros que foram traduzidos para vários idiomas. Hellinger é conhecido por um tipo de terapia que ele chamou de constelações familiares. Ele residia na Alemanha. Sua técnica terapêutica é popular em toda a Europa e tem se tornado um fenômeno mundial. A razão para o crescimento é que há muito poucos requisitos para alguém se tornar um “facilitador” e a maioria dos lugares ao redor do mundo não exige que essas pessoas tenham um treinamento extensivo ou sejam terapeutas licenciados.

Constelações familiares são um tipo de constelações sistêmicas, que é um tipo de terapia de grupo. Aqui está uma descrição das constelações sistêmicas:

Um grupo de participantes (10-30), liderado por um facilitador treinado, senta-se em círculo. Um participante (cliente ou interessado) é selecionado para trabalhar em uma questão pessoal. Os outros servem como “representantes” ou contribuem ativamente observando com concentração.

O facilitador pergunta: “Qual é o seu problema?” A questão em si pode ser algo extremo: “Há dois anos, meu marido e meu filho morreram em um acidente. Estou tentando aprender a viver com isso”. Ou pode parecer algo mais comum, como um estudante universitário que relata: “Tenho 21 anos e fui diagnosticado com depressão clínica”.

Então as sessões ficam um pouco estranhas. O cliente fica atrás de todos e coloca as mãos nos ombros de cada representante. Em seguida, o cliente se senta. Ninguém diz nada por um tempo. Os representantes supostamente sintonizam a ressonância do campo familiar. O facilitador pergunta aos representantes o que eles estão sentindo. Supostamente, “o que acontece é que alguém da família atual está inconscientemente identificado com um membro da família falecido de uma geração anterior. Se essa conexão for com uma pessoa excluída, ou que teve um destino doloroso, o membro da família vivo pode ser atraído por repetir este destino ou compensar pelo que ocorreu no passado”.

De acordo com Hellinger, temos “conexões inconscientes com o destino dos ancestrais familiares” que devem ser reveladas para que a psicoterapia seja eficaz. Ele acha que a ideia de ressonância mórfica de Rupert Sheldrake explica melhor como ficamos “emaranhados” nos destinos de nossos ancestrais. “Campos de energia” têm “memória e influência” que nos conectam no presente com pessoas, lugares e animais do passado. Em suma, as “conexões inconscientes” de Hellinger não são influências genéticas, nem são memórias reprimidas. Eles são considerados campos psíquicos de energia. Como muitas terapias da Nova Era, esta hipotetiza uma energia psíquica que deve estar em harmonia para funcionar adequadamente, cujo desequilíbrio é a causa de doenças físicas e mentais, e cuja estrutura está de alguma forma relacionada à física quântica. Um dos seguidores de Hellinger, o Dr. Albrecht Mahr chama esse campo de energia de “o campo do conhecimento”. Ele coloca desta forma:

As descobertas constantemente surpreendentes, particularmente na física quântica, trazem a ciência cada vez mais perto da espiritualidade, ou seja, a consciência de nossa profunda interconexão e de que o amor é nossa qualidade original e nossa essência. A física quântica e a espiritualidade estão nos ensinando que estamos profundamente conectados (“emaranhados” na linguagem quântica) a tudo e todos: o que acontece aos outros acontece igualmente para nós de uma forma muito concreta e por vezes até mensurável.

Os físicos chamam isso de charlatanismo quântico, pois não há nenhuma boa razão para acreditar que existam efeitos quânticos no nível biológico. Na melhor das hipóteses, a noção de emaranhamento para explicar problemas psicológicos complexos pode servir como uma metáfora, mas mesmo assim seria apenas uma metáfora. Pode ser verdade que, como os humanos são membros da mesma espécie, em algum sentido abstrato, tudo o que um de nós faz qualquer um de nós é potencialmente capaz de fazer. Mas certamente não é verdade que “o que acontece aos outros acontece igualmente a nós de uma maneira muito concreta… mensurável”.

A existência dessas “constelações familiares” é questionável, mas a maneira como são acessadas e “desemaranhadas” nas sessões de terapia é verdadeiramente bizarra. Hellinger pensava que “o trabalho de constelação resulta em movimento em um nível muito profundo – o nível da alma”. Uma de suas primeiras influências foi a terapeuta familiar Virginia Satir, que acreditava “que os seres humanos em nosso planeta estão todos conectados… e que a cura do espírito humano e estender a mão para se conectar com outros através da força vital universal… é essencial para a paz mundial”. Sentimentos adoráveis, talvez, mas com base em quais evidências? A alma universal em que Satir e outros acreditam é identificada com a ressonância mórfica de Sheldrake como um campo que armazena todas as informações emocionais do mundo e pode ser acessado quando uma “constelação familiar” é criada. De qualquer forma, Hellinger escreveu:

Ao configurar uma constelação familiar em uma oficina, um cliente escolhe os participantes da oficina para representar membros de sua família e, em seguida, os coloca em relação uns com os outros, sem fazer comentários, com base em como se “sentia” por estar na família. Apesar de não se conhecerem ou terem muitas informações sobre os membros da família ou suas relações entre si, os representantes tornam-se um modelo vivo do sistema familiar original.

Oficinas não são necessárias, entretanto, para fazer a alma se “desemaranhar” das conexões com os ancestrais.

No trabalho individual, os “representantes” podem ser pequenas figuras movidas sobre uma mesa, folhas de papel ou pegadas colocadas no chão, o terapeuta substituindo os membros da família ou o próprio cliente movendo-se de um lugar para outro. A constelação também pode ser feita na forma de uma visualização guiada que o cliente experimenta com os olhos fechados ou na forma de uma história contada pelo facilitador.

De acordo com Hellinger, a terapia começa com o cliente declarando qual é o problema e qual resultado ele está procurando. Os tipos de problemas que ele cita como resultado de emaranhados de energia são: “sentimentos de isolamento, depressão, doença mental e física, acidentes, problemas financeiros ou de relacionamento e até mesmo pensamentos ou tentativas suicidas”. Através do uso do campo mórfico, “complicações podem ser vistas, questões não resolvidas podem ser tratadas e soluções podem ser encontradas para liberar o fluxo de amor em sua vida”. Ou, como Albrecht Mahr coloca:

Estamos infligindo a nós mesmos o que rejeitamos, lutamos e destruímos. E a prática da compaixão, da bondade amorosa e de perceber o ser humano no oponente são a expressão inteligente de nosso próprio interesse.

Podemos dizer que as constelações familiares são uma aplicação de energia quântica da Nova Era ao conselho de “amar seus inimigos”. Em termos simples, a terapia não parece diferente de muitas outras que visam fazer as pessoas pensarem sobre seus problemas de uma forma que as ajude a lidar com eles de forma eficaz. O cliente é levado a acreditar em certas coisas metafísicas e essas crenças afetam positivamente o cliente. Funciona? Não vejo por que não isso funcionaria com algumas pessoas, se por “funcionar” queremos dizer “ter clientes satisfeitos”. O que e como as pessoas pensam afeta como elas se sentem e se comportam. Então, qualquer tipo de terapia que mude a maneira como as pessoas pensam pode funcionar para algumas pessoas, mesmo se a terapia encorajar os clientes a acreditar em mitos, fantasias, ilusões ou delírios. Novamente, “funcionar” significa pouco mais do que “ajuda-os a ficar menos ansiosos e a se sentir melhor na sociedade”. Acima de tudo, grande parte da afirmação da terapia consistirá em validação subjetiva do que os representantes dizem sentir e do que o facilitador diz sobre os supostos familiares cujos “destinos” se revelam no suposto campo mórfico. Em suma, parte do “sucesso” se deve às técnicas de leitura fria utilizadas pelo facilitador, que são validadas não apenas pelo cliente, mas pelo reforço comunal e viés de confirmação dos “representantes” e a ocitocina que os encontros agradáveis ​​em grupo evocam. Claro, isso presumiria que alguns dos encontros do grupo são realmente agradáveis ​​e reduzem o estresse.

O jornalista Florian Burkhardt relata sobre a participação em uma sessão de constelação familiar:

Como observador, embora jornalista cético, também concordei em entrar em várias constelações durante a oficina. Alguns dos sentimentos que tive durante aquelas constelações não eram meus e não posso explicar sua origem. Era como se você pudesse sintonizar um aparelho de TV e assistir ao desenvolvimento de suas relações familiares mais profundas, com o terapeuta segurando o controle remoto.

Burkhardt não me parece muito cético, entretanto. Ele escreve sobre a origem dos sentimentos que teve:

Como esse campo do conhecimento passou a existir sempre foi um segredo (até mesmo para mim) e sua existência nunca foi comprovada cientificamente. Especialistas dizem que o conceito de “campos de conhecimento” provavelmente se desenvolveu a partir de rituais tribais na África do Sul, onde Bert Hellinger, o fundador alemão do movimento terapêutico, passou algum tempo como missionário católico.

Segredo? Que tal o poder da sugestão e da empatia como explicação de como alguém pode sentir algo sem uma causa externa? Os atores fazem isso todos os dias. Não parece haver nenhum mistério aqui que precise ser explicado, exceto talvez o mistério de por que alguém acreditaria que os “representantes” estavam explorando os sentimentos de uma pessoa morta há muito tempo.

O fato dessa terapia ter muitos clientes satisfeitos significa que há algo nessas ideias que validam os destinos emaranhados descobertos pela ressonância mórfica penetrante em constelações familiares ou qualquer outro tipo de besteirol? De jeito nenhum. Para a terapia, não importa se os sentimentos e pensamentos que os clientes acreditam refletir os de membros da família refletem, de fato, os verdadeiros sentimentos de qualquer pessoa sobre qualquer coisa. Na verdade, uma vez que muitos dos “destinos” que estão supostamente ligados ao campo mórfico não podem ser conhecidos com qualquer precisão (visto que o ancestral está morto há muito tempo e as crenças impossíveis de verificar), é óbvio que a verdade é irrelevante para o sucesso da terapia. O que importa não é o que realmente aconteceu a alguém, mas o que o cliente concorda em acreditar que aconteceu e isso que o cliente concorda em acreditar se torna a melhor maneira de pensar e sentir a respeito dessa coisa. Se você acha que crenças em uma “alma” e “ressonância mórfica” são um absurdo, esta terapia não vai funcionar para você. Eu garanto.

Por outro lado, se aceitarmos as ideias metafísicas de Hellinger sobre almas, energias e emaranhamentos, poderemos achar que sua técnica terapêutica lhe agrada. Um atrativo adicional é que ele pode fazer suas maravilhas em poucas sessões de uma hora. Se você estiver realmente ocupado, a terapia pode ser realizada por telefone, embora a taxa seja a mesma de uma sessão presencial. “Os clientes relataram mudanças tremendas decorrentes de até mesmo uma sessão de telefone”, disse ele.

O inverificável encontra o inacreditável

Hellinger expressou várias noções questionáveis ​​que vão desde as meramente inverificáveis ​​até as absolutamente absurdas. Por exemplo:

A homossexualidade geralmente ocorre porque um menino deve assumir os sentimentos de uma irmã falecida quando não há irmãs do sexo feminino na família para fazer isso. (Hellinger expressa orgulho por ter “curado” um cliente da “doença” da homossexualidade.)

O estupro e o incesto criam um vínculo; o perpetrador deve receber o “devido respeito” antes que a vítima possa se relacionar com outra.

“Agora, sobre o incesto. Se você se depara com casos de incesto, uma dinâmica muito comum é que a esposa se afasta do marido, ela recusa o relacionamento sexual. Então, como uma espécie de compensação, uma filha toma seu lugar. Isso é um movimento inconsciente, não consciente. Mas veja, no incesto há dois perpetradores, um em segundo plano e outro a céu aberto. Você não pode resolver isso a menos que esse perpetrador oculto seja abordado. Há frases muito estranhas que vêm à tona. A filha pode dizer à mãe: “Eu faço isso por você”. E ela pode dizer ao pai: “Eu faço isso pela minha mãe”.

Suas opiniões sobre o incesto parecem derivar, em parte, de sua visão da nação e da família como patriarcados. O governante ou pai é considerado o chefe absoluto, cuja vontade deve ser obedecida por seus súditos ou por sua esposa e filhos. Sua noção de que os pais cometem incesto com as filhas porque suas esposas as isolaram do sexo é algo que Hellinger não cita nenhuma evidência científica, provavelmente porque não existe nenhuma.

Burkhardt escreve:

Dois aspectos às vezes preocupantes do método são o incrível poder do terapeuta e a confiança do método nas chamadas “Ordens do Amor”, um conjunto de diretrizes para constelações familiares saudáveis, que são amplamente baseadas em noções antigas do Antigo Testamento. Duas dessas regras que me incomodaram, durante minha pesquisa e em entrevistas com terapeutas, são que a esposa deve sucumbir ao marido e que o filho primogênito tem preferência sobre qualquer outro filho. Por exemplo, se uma constelação familiar revela o abuso sexual de uma criança, a culpa é colocada sobre a mãe na família em alguns casos, presumindo que ela não tinha dado amor suficiente ao marido. Em outros casos, a criança simplesmente tem que aceitar o estupro como um fato, apesar da enorme carga emocional.

As opiniões de Hellinger sobre estupros, crimes de guerra e outros atos hediondos parecem derivar, em parte, de sua visão geralmente fatalista do mundo. A história se desenvolve de acordo com algum tipo de Absoluto Hegeliano sobre o qual não temos controle. Somos peões e devemos nos submeter a qualquer papel que o destino nos designou.

Alguns pensam que a filosofia de Hellinger se resume no seu “Ode a Hitler”:

Hitler,

Algumas pessoas consideram você desumano, como se alguém já merecesse essa qualificação. Eu olho para você como eu olho para mim: ou seja, como um ser humano com pai e mãe e com um destino extraordinário. Isso te torna maior? Ou menor? Você está melhor ou pior? Porque se você é maior, então eu também sou. E se você é menor, então eu também sou. Se você é melhor ou pior, então eu também sou. Pois sou um ser humano como você. Se eu respeitar você, então eu me respeito. E se eu te detesto, então eu me detesto.

Em 2004, quase 200 praticantes das terapias de Hellinger assinaram uma proclamação distanciando-se de Hellinger e mostrando como ele havia se distanciado, em sua opinião, da terapia sistêmica. Isso, entretanto, é o sujo falando do mal-lavado. Críticas mais contundentes são encontradas nas reclamações contra seus tratamentos, que levaram pessoas aos limites, gerando obsessões, problemas mentais ou mesmo suicídio. Já vimos isso antes com outras terapias da Nova Era e programas de desenvolvimento pessoal: algumas das pessoas que se inscrevem para essas coisas têm graves distúrbios cerebrais ou problemas psicológicos e provavelmente serão prejudicadas em vez de ajudadas pelas mitologias e rituais envolvidos.

Um dano mais provável causado por constelações familiares é mostrado neste comentário de um participante da África do Sul:

Tenho vergonha de dizer que participei de uma oficina de constelações familiares. Custou alguns milhares de rands (acho que foi cerca de dois mil rands [moeda sul-africana], cerca de dois anos atrás) para uma oficina de um dia. Não só não ajudou, mas também foi prejudicial porque dizia muitas coisas negativas sobre minha família que não tinham base na realidade, e eu acreditei nisso na época. O que não quer dizer que não haja validade em entender como a estrutura e a história familiar podem influenciar as pessoas, mas as oficinas vão muito além disso, a partir de um conjunto de chamadas “leis universais”.

As ideias de Hellinger não apenas podem ajudar ou atrapalhar sua vida pessoal, mas também podem ajudar ou atrapalhar seus negócios. Como disse um site irlandês:

A Ochre oferece maneiras de trabalhar com indivíduos e organizações para aprimorar relacionamentos, desenvolvimento e mudança. A Ochre é especialista em constelações familiares e organizacionais com base no trabalho de Bert Hellinger.

Já mencionei que Herr Hellinger é um ex-padre fluente em zulu?

Veja também: Uma introdução crítica às psicoterapias da Nova Era.

Referências