O problema do uso da psicanálise em crianças

Crédito: Shutterstock.

Por Michael Richards
Publicado na
The Conversation

Crianças com problemas ou crianças problemáticas? Essa é a pergunta muitas vezes feita por pais e professores. Se uma criança é impertinente na escola, ela é uma criança “ruim” ou está enfrentando problemas de saúde mental?

A maioria das análises se concentra em crianças como sendo o problema – uma abordagem altamente individualista que evoca a teoria da psicanálise de Sigmund Freud. Essa é uma teoria que remonta há mais de cem anos, com fortes raízes no foco em problemas de infância que influenciam o comportamento adulto.

A psicanálise se desenvolveu ao longo do século XX e, embora a abordagem tenha sido descartada por muitos, vivemos em uma sociedade onde ainda há uma obsessão com a “psicanalisação” em crianças. Isso inevitavelmente rotula as crianças como sendo problemáticas, em vez de reconhecer os problemas que afetam a sociedade em geral.

O que impulsiona o comportamento?

A psicanálise diz respeito especificamente à própria escola de pensamento de Freud, que acredita que o comportamento de uma pessoa é determinado por experiências na primeira infância. De acordo com Freud, uma pessoa tem impulsos instintivos no inconsciente que influenciam seu comportamento – o material inconsciente pode ser encontrado nos sonhos e no comportamento não intencional.

O foco de Freud estava em estágios sexuais específicos de desenvolvimento que influenciariam nossas personalidades à medida que desenvolvemos na vida. Na fase oral de desenvolvimento, por exemplo, (do nascimento até um ano), Freud sugeriu que a estimulação oral poderia levar a uma “fixação oral” na vida adulta – como chupar o polegar em momentos de estresse.

Os psicanalistas acreditam que as intervenções terapêuticas podem trazer à consciência os efeitos desse material inconsciente, com o objetivo de resolver esses problemas.

Questionando Freud

A teoria psicanalítica de Freud e outras versões da psicanálise são problemáticas por muitas razões. Para começar, as teorias de Freud são baseadas na “mente inconsciente”, que é difícil de definir e testar. Não há nenhuma evidência científica para a “mente inconsciente”. E seria difícil dizer quem seria qualificado para fazer suposições sobre isso quando ninguém realmente sabe o que é a mente inconsciente.

Para as crianças, isso significa que professores, assistentes sociais, enfermeiros, psiquiatras e outros profissionais fazem suposições sobre elas com base apenas em seu comportamento atual – e sem considerar quaisquer questões sociais mais amplas. Isso torna a psicanálise ignorante – além de supergeneralizada – a respeito da diferença e da diversidade humana. Particularmente, quando dirigida a crianças pequenas – dado que a personalidade e o comportamento podem mudar ao longo da vida de alguém.

A pesquisa também mostra que o comportamento “desobediente” nas escolas pode ocorrer porque as crianças carecem de aspirações e de vontade de fazer o bem. Isso pode resultar de muitos fatores, como a baixa autoestima e a alta ansiedade – bem como crescer em uma família de baixa renda. Crianças que estão em cuidados, crianças com deficiência e crianças de origem afro-caribenha também são mais propensas a serem excluídas da escola regular se viverem em áreas carentes.

Pare de culpar as crianças

É relativamente fácil criticar o uso da psicanálise, especialmente quando as pessoas estão “psicanalisando” sem entender o que é ou não é. Nesse sentido, Freud e a ideia geral da psicanálise se tornaram parte de nossa linguagem – e de nossa análise para tentar dar sentido ao comportamento humano.

E isso tem uma razão. As teorias de Freud ainda são aplicadas no ensino e na aprendizagem de muitos conselheiros, psicólogos e psiquiatras de hoje, apesar de enfrentarem muitas críticas desde a sua criação. De fato, muitos tipos de terapias surgiram pós-Freud – incluindo a terapia transpessoal, que é uma abordagem mais humanista da terapia.

Contudo, em última análise, o problema da psicanálise é que o foco ainda está principalmente no indivíduo como um problema. No caso das crianças, porque mantém o foco nelas como o problema, enquanto ignora outros fatores mais amplos, como a nocividade dos problemas sociais.

A psicanálise também não reconhece plenamente o poder da rotulagem e da estereotipagem que ocorre dentro das escolas e em outros aspectos da vida de uma criança. É quase como se houvesse uma garantia ao focar em uma criança “problemática”, porque há sempre uma caixa para assinalar, o que pode fornecer uma ideia do “problema” e, em seguida, resultar em uma resolução.

Mas é impossível fazer isso corretamente, ignorando os principais problemas que as crianças enfrentam em seu mundo. Isso inclui a falta de recursos devido às altas taxas de pobreza, juntamente com os crescentes níveis de problemas de saúde mental, como a automutilação. A individualidade não pode ser ignorada, é claro, bem como os problemas sociais mais amplos que as crianças enfrentam. Isso é importante porque, em última análise, são esses fatores externos que têm o poder de realmente influenciar a saúde mental e o bem-estar das crianças.