As doze mentes mais brilhantes da história da computação

Os maiores nomes da computação de todos os tempos.

0
197

Internet, videogames, mídia social, laptops e smartphones – nossas vidas diárias mudaram drasticamente com o advento e o desenvolvimento de produtos baseados em tecnologia. Mas não teríamos essas coisas sem as pessoas que escreveram o código, construíram as máquinas e guiaram a evolução das tecnologias de computador que tão facilmente consideramos naturais hoje.

Mas quem são exatamente essas pessoas? A história da computação está repleta de homens e mulheres de diferentes áreas que contribuíram para construir a era da informação como a conhecemos. Hoje em dia, os cientistas da computação são considerados novos astros do rock.

Abaixo, mencionamos alguns lógicos, físicos, matemáticos, engenheiros, programadores e cientistas da computação de classe mundial que mudaram o mundo com suas mentes criativas. Esta lista não é, de forma alguma, completa, mas irá lhe dar um tour pelas conquistas de alguns dos grandes nomes que você pode encontrar em sua jornada pelo mundo da tecnologia.

Charles Babbage (1791-1871)

Ada Lovelace (1815-1852)

A amizade de toda a vida que se criou entre Ada Lovelace e Charles Babbage gerou uma união inestimável de software e hardware, à qual devemos grande parte da vida moderna. Babbage tinha o sonho de construir uma grande máquina de calcular que permitiria que tabelas matemáticas fossem calculadas de forma confiável por máquinas. No final, ele projetou duas máquinas – a Máquina Diferencial e a Máquina Analítica – que jamais foram construídas por falta de financiamento e tecnologia necessária. A Máquina Analítica foi a primeira máquina da história que pôde ser programada para executar comandos de qualquer tipo. Ada se apaixonou por ela. Embora a ideia de Babbage fosse usá-la apenas para fins matemáticos, Ada percebeu que a máquina era capaz de realizar todos os tipos de processos, até mesmo compor música. 10 anos depois de conhecer Babbage, ela traduziu um artigo italiano sobre a Máquina Analítica e complementou o estudo com um conjunto de observações suas. Essas notas, que acabaram sendo mais extensas do que o artigo original, continham um algoritmo criado para ser processado por máquinas, sendo considerado o primeiro programa de computador já criado. Assim, Ada fez história se tornando a primeira pessoa programadora do mundo. Ela morreu de câncer de útero aos 36 anos, mas seu legado, continua vivo. Ela deu seu nome à linguagem de programação Ada e, todos os anos, na 2º terça-feira de outubro, as contribuições das mulheres para a ciência, tecnologia, engenharia e matemática são comemoradas no Dia Ada Lovelace.

George Boole (1815-1864)

Cada vez que você faz uma busca simples no Google ou em qualquer outro buscador, há princípios de lógica que foram concebidos há mais de 150 anos. Foi o matemático britânico George Boole que inventou um sistema de álgebra que é chave para a programação de hoje. Durante os últimos 17 anos de sua vida, Boole estabeleceu o conceito de lógica algébrica em matemática e simplificou o mundo em enunciados básicos que tinham “sim” ou “não” como resposta, usando a aritmética básica nessa tarefa. Esse conceito, que ele introduziu em 1847 e expandiu sete anos mais tarde, é o que está presente nos programas atuais de informática. A álgebra de Boole, ou álgebra booleana, é uma estrutura algébrica que esquematiza as operações lógicas, e está presente em todas as partes: desde a programação por trás dos videogames até o código dos aplicativos e programas de computador que usamos. Certa vez, Boole disse a um amigo que a lógica booleana poderia ser a “contribuição mais valiosa, se não a única, que fiz ou que provavelmente farei à ciência, e é o motivo pelo qual desejaria ser lembrado, se é que serei lembrado, postumamente”. E assim aconteceu: os tijolos que formam a programação (os comandos ou instruções dadas a um sistema informático) são todos baseados na lógica de Boole.

Konrad Zuse (1910-1995)

Existem várias pessoas que podem ser consideradas o pai do computador. Jacquard e outros construíram as primeiras máquinas controladas por programa (teares baseados em cartão perfurado) na França por volta de 1800. Por volta de 1840, Babbage planejou, mas não foi capaz de construir um computador não binário, decimal, programável. O ABC binário de Atanasoff e Berry desenvolvido em 1942 e o ENIAC decimal de Eckert e Mauchly desenvolvido em 1946 eram de propósito especial calculadoras, em princípio como as de Schickard (1623), Pascal (1640) e Leibniz (1670), embora mais rápidas (com tubos em vez de engrenagens). Nenhuma dessas máquinas era livremente programável. Nem mesmo a Colossus de Turing, que pôde decifrar os códigos alemães de mensagens “Enigma” durante a guerra. O primeiro computador controlado por programa do mundo foi o Z1, construído por Konrad Zuse entre 1935 e 1938. Apesar de certos problemas de engenharia mecânica, o Z1 tinha todos os ingredientes básicos das máquinas modernas, usando o sistema binário e a separação padrão atual de armazenamento e controle. Zuse também construiu os igualmente revolucionários Z2 (uma versão ampliada do Z1), Z3 (o primeiro computador programável totalmente funcional do mundo) e Z4 (o primeiro computador comercial do mundo), criou a Plankalkuel (a primeira linguagem de programação de nível superior do mundo) e fundou a Zuse-Ingenieurbüro Hopferau (a primeira empresa de computador do mundo). Em 1970, foi considerado pelo renomado Atlas da História Mundial de Peter uma das 30 figuras mais importantes do século, junto com Einstein, Gandhi, Hitler e outros.

John von Neumann (1903-1957)

John von Neumann foi um matemático consumado e o primeiro polímata da era do computador. Suas contribuições abrangeram uma ampla gama de campos, como: análise, geometria, topologia, teoria da matriz, teoria dos jogos, estatística, hidrodinâmica, etc. Ele se destacou em matemática pura e aplicada: trabalhos pioneiros em ciência da computação enquanto avançava outros em física quântica. Sua colaboração com Paul Dirac levou ao estabelecimento da primeira estrutura matemática meticulosa para a mecânica quântica. Ele generalizou o Teorema Espectral e foi o primeiro a estabelecer e provar o Teorema Minimax. Seus modelos matemáticos foram fundamentais para a pesquisa nuclear e termonuclear do Projeto Manhattan. Depois desse projeto, tanto os EUA, o Exército e a Força Aérea solicitaram seus serviços de consultoria. Tendo analisado os mecanismos da inteligência artificial, von Neumann desenvolveu autômatos celulares e trabalhos pioneiros em programação linear, bem como em computação estocástica. Além de coinventar o programa de computador armazenável (com Alan Turing e Claude Shannon), ele é considerado a primeira pessoa a aplicar a análise de elementos finitos, a geração de números pseudoaleatórios e o algoritmo de classificação por mesclagem à computação. Seus vastos trabalhos científicos culminaram em mais de 150 publicações. Como uma marca de honra, a medalha do Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos por realizações notáveis ​​em ciência e tecnologia relacionadas à computação leva seu nome.

Grace Hopper (1906-1992)

“Rainha da Computação”, “Rainha da Codificação”, “Grande Dama do Software”, “Vovó COBOL”… Todos esses apelidos fazem referência a uma só mulher: Grace Hopper. A história de Grace se confunde com o início da Segunda Guerra Mundial. Em 1943, após se alistar voluntariamente à Marinha dos Estados Unidos, ela começou a trabalhar em Harvard programando o primeiro computador de grande capacidade, o Mark I, e seu sucessor, o Mark II. Foi justamente trabalhando nele que, segundo a história, Grace inventou o termo “bug”. Quando o Mark II deu problema, Grace foi tentar resolver e descobriu que tinha um inseto (em inglês, bug) morto dentro da máquina e, ao tirá-lo, chamou a operação de “debugging”, termo usado até hoje para encontrar e solucionar defeitos em máquinas. Depois da guerra, Grace passou a trabalhar para a corporação Eckert-Mauchly Computer, onde fez parte da equipe que desenvolveu o primeiro computador comercial fabricado nos Estados Unidos. Foi nesse período que Grace desenvolveu o primeiro compilador, um software que funciona como um tradutor entre humanos e computadores. Em 1955, Grace criou a linguagem Flow-Matic, a primeira linguagem de programação assemelhada ao inglês e a maior inspiração para a criação da linguagem COBOL, utilizada até hoje principalmente pelo setor financeiro. A indiscutível contribuição de Grace Hopper para a história da programação rendeu a ela diversos títulos. Além disso, desde 1994 é realizado em sua honra o congresso Grace Hopper Celebration of Women in Computing, que anualmente celebra os feitos das mulheres no mundo da computação.

Alan Turing (1912-1954)

Alan Turing é amplamente considerado o pai da ciência da computação. Durante a Segunda Guerra Mundial, a rede de inteligência alemã foi considerada quase impenetrável. Muitas nações aliadas temiam que, se não pudessem interceptar transmissões importantes do alto comando nazista, poderiam eventualmente perder a guerra. Foi Alan Turing, que, com suas habilidades matemáticas e criptanalíticas sem precedentes, fez descobertas significativas e criou métodos inovadores de quebra de código que eventualmente ajudariam a quebrar as criptografias Enigma alemãs, permitindo que os aliados derrotassem os nazistas em muitos combates cruciais. Após o fim da guerra, ele investiu seu tempo em computação. Tendo tido a ideia de uma máquina de estilo computacional antes da guerra, ele é considerado um dos primeiros verdadeiros cientistas da computação. Além disso, ele escreveu uma série de artigos brilhantes sobre o assunto da computação que ainda são relevantes hoje, notadamente em Inteligência Artificial, em que desenvolveu o teste de Turing que ainda é usado para avaliar a “inteligência” de um computador. O prestigioso “Prêmio Turing” foi batizado em sua homenagem – um prêmio concedido àqueles da ciência da computação que fazem uma contribuição significativa para a indústria. Apesar do brilhantismo de seu trabalho, ele não foi totalmente reconhecido por suas contribuições, pois era homossexual, o que era ilegal no Reino Unido na época.

Joseph Carl Robnett Licklider (1915-1990)

Joseph Carl Robnett Licklider é considerado um das figuras mais importantes da história da computação. Apelidado de “Johnny Appleseed da computação”, por plantar as sementes da computação na era digital, Joseph é particularmente lembrado por ser um dos primeiros a prever a computação interativa de estilo moderno e sua aplicação a todos os tipos de atividades. Ele também desenvolveu a ARPANET, conhecida como a “mãe” e predecessora direta da internet, e foi o inventor da computação em nuvem, um paradigma da computação que conquistou o mundo. As maiores empresas de hoje, como Amazon, Google e Microsoft, adotaram a computação em nuvem e aproveitaram seu poder para criar serviços em nuvem. Esses serviços são usados ​​por outros sistemas de software para construir aplicativos que não representem altos custos de armazenamento e a necessidade de data centers locais. Esta é a vanguarda da tecnologia moderna e da indústria de software. Muito antes do surgimento dos computadores pessoais e da explosão da Internet na década de 1990, Joseph já enxergava um futuro no qual os computadores capacitariam os indivíduos, em vez de forçá-los a uma conformidade rígida. Ele estava quase sozinho em sua convicção de que os computadores poderiam se tornar não apenas máquinas de calcular super-rápidas, mas também ferramentas que serviriam como novos meios de expressão e portas de entrada para um vasto mundo de informações online.

John McCarthy (1927-2011)

John McCarthy foi um gigante da ciência da computação que cunhou o termo “inteligência artificial” e posteriormente definiu o campo por mais de cinco décadas. Enquanto estava em Dartmouth em 1955, McCarthy foi o autor de uma proposta para uma conferência de pesquisa de verão de dois meses para 10 pessoas sobre “inteligência artificial” – o primeiro uso do termo em publicação. Ao propor a conferência, McCarthy escreveu: “O estudo deve prosseguir com base na conjectura de que cada aspecto do aprendizado ou qualquer outra característica da inteligência pode, em princípio, ser descrito de forma tão precisa que uma máquina pode ser feita para simulá-lo”. A conferência é considerada um divisor de águas na ciência da computação. Em 1958, McCarthy inventou a linguagem de programação de computador LISP, a segunda linguagem de programação mais antiga depois do FORTRAN. LISP ainda é usado hoje e é a linguagem de programação de escolha para inteligência artificial. Ele também desenvolveu o conceito de compartilhamento de tempo de computador no final dos anos 1950 e início dos anos 1960, um avanço que melhorou muito a eficiência da computação distribuída e antecedeu em décadas a era da computação em nuvem. McCarthy também foi um pioneiro ao realizar as primeiras partidas de xadrez computadorizadas e desenvolver o primeiro sistema de computador “mão-olho”, no qual um computador era capaz de ver blocos 3D reais por meio de uma câmera de vídeo e controlar um braço robótico para completar exercícios simples de empilhamento e arranjo.

Edsger Dijkstra (1930-2002)

Edsger Dijkstra foi uma das primeiras pessoas a se preocupar com o que um programa deveria ser e elevou o ato de programar tanto a uma arte quanto a uma ciência. Ele ajudou a moldar a nova disciplina, tanto da perspectiva da engenharia quanto da acadêmica. Suas contribuições fundamentais abrangem diversas áreas da ciência da computação, incluindo construção de compiladores, sistemas operacionais, sistemas distribuídos, programação sequencial e simultânea, paradigma e metodologia de programação, pesquisa em linguagem de programação, design, desenvolvimento e verificação do programa, princípios de engenharia de software, algoritmos de gráficos e fundamentos filosóficos da programação e ciência da computação. Até os anos 60, a programação de computadores era considerada mais um ofício do que uma disciplina científica. Dijkstra foi uma das forças motrizes por trás da aceitação da programação de computadores como disciplina científica. Ele cunhou a frase “programação estruturada” e, durante a década de 1970, essa se tornou a nova ortodoxia da programação. Suas ideias sobre programação estruturada ajudaram a estabelecer as bases para o nascimento e o desenvolvimento da disciplina profissional de engenharia de software, permitindo que os programadores organizassem e gerenciar projetos de software cada vez mais complexos. Uma pesquisa de 1994 com mais de mil professores de ciência da computação foi realizada para obter uma lista dos 38 trabalhos acadêmicos mais influentes no campo, e Dijkstra é o autor de cinco artigos.

Dennis Ritchie (1941-2011)

Brian Kernighan (1942)

Ken Thompson (1943)

Em meados da década de 1970, nas instalações dos Laboratórios Bell, Dennis Ritchie e Ken Thompson tiveram a liberdade de produzir (apenas para seu próprio divertimento) dois dos maiores pilares tecnológicos de todos os tempos: o sistema operacional Unix e a linguagem de programação C. O Unix liderou o caminho dos sistemas operacionais e se tornou muito popular por seus recursos e por ter um design modular e um sistema de arquivos unificado. A linguagem C passou a ser usada em muitos setores diferentes e inspirou uma série de linguagens de programação (ou linguagens do tipo C), tornando-se parte essencial da jornada de qualquer desenvolvedor de software. Hoje, a maior parte dos subsistemas que compõe os sistemas operacionais são evolução ou variação direta do que foi criado no Unix, em especial sistemas de arquivos, escalonadores de processos e gerenciamento de memória. Além disso, 90% das linguagens de computadores existentes atualmente derivam da linguagem C ou tem seus subsistema base escritos em C. Todos os trabalhos de Ritchie e Thompson foram popularizados por Brian Kernighan, o desenvolvedor de vários programas fundamentais do Unix (foi ele quem cunhou o termo) e criador das linguagens de programação AWK e AMPL. Brian escreveu com Ritchie “A linguagem de programação C”, obra essencial pro desenvolvimento e popularização da linguagem C. Tanto Ritchie quanto Thompson podem ser considerados dois dos homens mais influentes da era digital, movidos não pelo dinheiro, mas pela diversão e entusiasmo por ideias.

Tim Berners-Lee (1955)

O século XX ficará na história humana como o momento em que nos tornamos uma civilização planetária. Os aviões aproximaram os continentes, e os satélites permitiram o fluxo quase instantâneo de informação ao redor do mundo. O ponto culminante desse processo foi a criação da internet – sem a qual aparentemente não conseguimos mais viver. Quando a internet (rede física entre computadores) foi concebida, nos anos 1960, sua finalidade era militar. O objetivo era ter um sistema descentralizado à disposição do governo que sobrevivesse a um ataque nuclear. Aos poucos, sua aplicação passou ao mundo científico, porém, ela carecia de um padrão unificador que facilitasse seu uso. O homem responsável por esse empurrão fundamental que mudou a face das comunicações é o britânico Tim Berners-Lee. Físico de formação, foi no CERN (laboratório europeu de física de partículas) que ele teve a ideia para criar um protocolo comum e padronizado para a troca de informações pela rede. Berners-Lee fez sua proposta inicial em março de 1989, e o primeiro website do mundo, feito no CERN, foi colocado online em 6 de agosto de 1991. Nascia, então, a World Wide Web (WWW). A real popularização da rede ainda levaria uns cinco anos para acontecer. Além de ter criado a WWW, o cientista teve outro grande mérito: ele não patenteou nada disso. Se tivesse, dificilmente a rede teria decolado como aconteceu. Por sorte, Berners-Lee tinha a mentalidade de pensador clássico, trabalhando pela humanidade. Sem ele, a Internet ficaria para sempre restrita a militares e cientistas.

Linus Torvalds (1969)

Conhecer a biografia do engenheiro de software Linus Torvalds é importante, já que ele é mundialmente conhecido por ter sido o criador do Kernel do Linux, base fundamental sobre a qual são construídos diversos sistemas operacionais gratuitos, como as distribuições Linux Ubuntu, Debian e Fedora, além de produtos do Google, como o Chrome OS e o Android. Torvalds também é um defensor do software livre e do código aberto. Como o Linux é um software livre, seu código fonte pode ser visto e livremente modificado por qualquer pessoa. Isso significa que versões em diferentes idiomas podem ser desenvolvidas e implantadas em mercados que seriam muito pequenos para as empresas tradicionais. Torvalds continua envolvido no processo de desenvolvimento do Linux até hoje como integrante da Linux Foundation – instituição responsável pelo progresso do Kernel sobre o qual o sistema operacional é construído. Além do Linux, o finlandês também é o criador do Git, um software usado no desenvolvimento de programas para controle de versão durante o processo de testes e compilações. Em virtude da sua contribuição decisiva para a popularização do software livre, Torvalds é visto como uma figura de referência no mundo da tecnologia. Suas palestras, TEDs e conferências são eventos aguardados e concorridos por todos que têm interesse em desenvolvimento e engenharia, além da difusão do código aberto e do software livre. Em 2000, Torvalds foi considerado pela revista Time a 17º pessoa mais importante do século.

Leia mais artigos da série doze mentes brilhantes:

A série doze mentes brilhantescelebra a memória e o legado dos maiores cientistas, filósofos e comunicadores científicos de todos os tempos. O mundo hoje habita na morada do avanço científico em diferentes setores da ciência por causa dessas personalidades.

As doze mentes mais brilhantes da história da ciência

As doze mentes mais brilhantes da história da astronomia

As doze mentes mais brilhantes da história da física

As doze mentes mais brilhantes da história da matemática

As doze mentes mais brilhantes da história da biologia

As doze mentes mais brilhantes da história da química

As doze mentes mais brilhantes da história da medicina

As doze mentes mais brilhantes da história da genética

As doze mentes mais brilhantes da história da paleontologia

As doze mentes mais brilhantes da história da geologia

As doze mentes mais brilhantes da história da astronáutica

As doze mentes mais brilhantes da história da divulgação científica

As doze mentes mais brilhantes da história da literatura de ficção científica


*Charles Babbage e Ada Lovelace compartilham a mesma posição e biografia na lista por dividirem historicamente o crédito pela invenção da Máquina Analítica e pela criação do primeiro programa de computador do mundo.

**Dennis Ritchie, Brian Kernighan e Ken Thompson compartilham a mesma posição e biografia na lista por dividirem historicamente o crédito pela invenção do sistema operacional UNIX e pela criação da linguagem de programação C.