As doze mentes mais brilhantes da história da divulgação científica

Os maiores nomes da divulgação científica de todos os tempos.

0
541

Se você está lendo isso, é provável que você seja uma daquelas pessoas que tem uma mente curiosa. Sempre se perguntando como a natureza funciona, como os humanos evoluíram, como a vida surgiu, como os continentes ganharam sua forma, por que o Universo está se expandindo e outras questões fundamentais. Então, pensamos que você gostaria se o apresentássemos a algumas pessoas realmente inteligentes que podem explicar como a Terra e o Universo funcionam.

Os cientistas sempre precisaram de tradutores. Sempre foi um grande problema para a comunidade acadêmica comunicar as complexidades da ciência aos não-cientistas interessados. Enfrentar essa necessidade exigiu uma certa habilidade para reformular o jargão e a profundidade dos trabalhos de especialistas em uma versão acessível ao público alfabetizado em geral.

Muitos cientistas ao longo dos séculos, juntamente com alguns escritores não-cientistas, assumiram este desafio e se destacaram. Seja em astronomia, física, matemática ou biologia, essas mentes brilhantes da divulgação científica se dedicaram a documentar e comunicar importantes questões científicas que você definitivamente achará fascinantes.

Bernard Le Bovier de Fontenelle (1657-1757)

Bernard le Bovier de Fontenelle foi um dos iluministas que mais entendeu a importância e o significado da ampliação dos trabalhos realizados dentro da Academia de Ciências. O dramaturgo francês defendia que era importante não apenas deixar circular as novidades dentro da comunidade científica, mas também espalhar as notícias de tais trabalhos em toda a sociedade. Ele se tornou o mais importante difusor das ciências para as mais diversas parcelas da sociedade, inclusive entre as mulheres, que foram suas ouvintes privilegiadas. Fontenelle trabalhou com brilhantismo durante mais de 50 anos, exercendo o papel de “mediador” entre os dois mundos: os dos cientistas e o das pessoas que consumiam ciência. Ele tinha o verdadeiro dom da pedagogia e sabia transmitir as ideias, das mais científicas e elaboradas eruditamente, de uma forma bastante palatável e compreensível para a maioria das pessoas na sociedade. Se as ciências em geral e a filosofia, em especial, se tornaram populares na França, foi graças ao pioneiro esforço de Fontenelle, que estimulou vocações, inclusive com seu talento de divulgador, conseguindo tornar acessíveis aos amadores e público em geral, tanto a física de Isaac Newton, quanto a botânica de Joseph Pitton de Tournefort, ou a química de Nicolás Lémery. Se o espírito filosófico está tão difundido devemos isso aos avanços realizados por Fontenelle.

Mary Somerville (1780-1872)

Entre as mulheres que popularizaram a ciência, a britânica Mary Somerville se destaca. Na verdade, ela foi apelidada de Rainha da Ciência e foi ela quem cunhou a palavra “cientista”. Embora ela fosse uma observadora nata, seu interesse pela ciência surgiu quase acidentalmente. Na adolescência, seu professor de pintura explicou que os “Elementos” de Euclides permitiriam entender a perspectiva, mas também a astronomia. Sem hesitar, ela começou a estudar Euclides sozinha, e a matemática permaneceu com ela pelo resto de sua vida. Quando, em 1831, a Sociedade para a Difusão de Conhecimentos Úteis pediu a ela para traduzir a “Mecânica Celestial” de Laplace do francês, Somerville não apenas traduziu as palavras para o inglês, mas também transformou a álgebra complexa em linguagem comum. Pouco depois, ela escreveu “A Conexão das Ciências Físicas”, um livro que enfatizava a crescente interdependência entre diferentes ramos da ciência e sugeria a possibilidade de que houvesse outro planeta além de Urano – pouco antes de esse planeta (Netuno) ser descoberto. Somerville lidou com grandes cientistas da época como Laplace, Ada Lovelace e Charles Baggage. Ela era membro da Royal Astronomical Society, da Royal Irish Academy e da American Society of Geography and Statistics.

George Gamow (1904-1968)

Imaginação sem perda de rigor foram os ingredientes que George Gamow usou para explicar a relatividade e a teoria quântica em livros como “Sr. Tompkins no País das Maravilhas”, cujo protagonista é um banqueiro que assiste a conferências sobre problemas da física moderna. E a complexa física teórica parecia brincadeira de criança quando explicada por esse cientista russo que, além de popularizar a ciência , passou grande parte de sua carreira estudando o Big Bang e a formação das estrelas. Gamow tentou garantir que as ideias corretas de espaço, tempo e movimento a que a nova ciência havia alcançado – depois de uma investigação tão longa e complexa – se tornassem uma herança comum com a qual qualquer um poderia se familiarizar. E por isso ganhou o prêmio Kainga da UNESCO. Seu texto “One Two Three… Infinity” ainda é popular hoje, combinando conceitos de matemática, biologia, física e astronomia de uma forma original e brilhante.

Richard Feynman (1918-1988)

Feynman costumava repreender seus alunos dizendo-lhes: “Apaixone-se por alguma atividade e pratique-a!”. E ele certamente deu o exemplo. Amante da física, ele ajudou a construir a bomba atômica, criou um modelo para a interação fraca (uma das quatro forças fundamentais da natureza), empreendeu trabalhos pioneiros em nanotecnologia e em 1965 ganhou o Prêmio Nobel de Física por seu trabalho em física quântica, que ajudou a entender o comportamento das partículas elementares. Além disso, foi um dos primeiros a propor a ideia de computadores quânticos e dirigiu a comissão que mostrou que a explosão do ônibus espacial Challenger em 1986 foi devido a equipamento defeituoso, e não a erro humano. Mas Feynman está nesta lista porque conseguiu contagiar outras pessoas com sua paixão pela física. De seu popular livro “Lições de física de Feynman” até suas coleções de ensaios de conversação mais vendidos, como “O senhor está brincando, Sr. Feynman!”, ele manteve uma conversa durante toda a sua vida com a humanidade fora do domínio da ciência profissional. Suas habilidades de ensino e comunicação são consideradas por muitos como a demonstração definitiva de seu gênio. Suas divertidas aulas e palestras, publicadas e até gravadas para a televisão, continuam a inspirar novas gerações de cientistas e a aproximar o grande público da ciência mais complexa.

Isaac Asimov (1920-1992)

Uma criança talentosa, Asimov começou seus estudos com apenas 15 anos. Tornou-se professor de bioquímica, mas assim que teve a oportunidade abandonou o ensino e iniciou sua produtiva carreira de escritor científico; publicou mais de 500 livros, alternando entre ficção científica e popularização. “Não queria investigar, queria escrever”, confessou na sua autobiografia. Enquanto escrevia ficção científica, ele concebeu as três leis da robótica que apareceram pela primeira vez no conto “Runaround”, uma história publicada na Astounding Science Fiction, e posteriormente desenvolvida extensivamente em “Eu, Robô”. Enquanto redigia seu primeiro trabalho de não ficção, dedicado à hemoglobina, ele descobriu, para sua surpresa, “que escrever um artigo como aquele me levava menos tempo e era mais fácil e divertido do que um pedaço de ficção científica”. Em 1954, seu 1º livro sobre ciência popular foi publicado, “The Chemicals of Life”, escrito em apenas 6 semanas. No início, seu público-alvo eram adolescentes. “Acho que são eles que mais precisam de uma introdução à ciência. Depois de terem passado dos 18 anos, é mais difícil influenciá-los”, afirmou.

David Attenborough (1926)

Os documentários de Sir David Attenborough fomentaram várias gerações de amantes dos animais, conservacionistas e historiadores da natureza, além de oferecer ao público em geral alguns dos momentos mais amados da TV documental. Quem poderia esquecer seu encontro “selvagem” com uma família de gorilas da montanha em janeiro de 1978, quando esses amáveis ​​macacos o olharam apaticamente antes de rolar em cima dele como uma brincadeira de luta na escola? Com sua abordagem pioneira na produção de filmes e técnicas de câmera de referência, ele nos mostrou interações com animais que ninguém tinha visto antes. Mas, mais do que tudo, é seu bom humor realista que torna seus shows uma alegria de assistir. Mesmo em momentos que muitos outros poderiam considerar assustadores, ele lida com isso com uma alegria fascinante, desde o momento em que uma baleia surgiu ao lado de seu barco para sua alegria óbvia, até o momento em que ele entrou em um grupo assustador de “canibais” no Papa Nova Guiné, apenas para saudá-los com um “boa tarde” amistoso e muito inglês. Além de sua carreira na televisão, David também escreveu várias dezenas de livros, bem como fez campanhas sobre inúmeras questões ambientais, incluindo o abate de texugos e a poluição por plástico. A espécie de peixe Materpiscis attenboroughi leva o seu nome em homenagem.

Oliver Sacks (1933-2015)

Oliver Sacks foi um neurologista brilhante que deve ser conhecido pelas gerações presentes e futuras de médicos como um escritor que escreveu de uma forma que permitia ao leitor saber sobre a doença, mas, mais importante, saber como o paciente se sentia e lidava com sua condição, através de linhas poéticas de seus inúmeros livros e artigos. Em “O homem que confundiu sua esposa com um chapéu” e “Um antropólogo em Marte”, ele descreveu pacientes lutando para viver com condições que vão da síndrome de Tourette ao autismo, epilepsia, síndrome do membro fantasma, esquizofrenia e Alzheimer. Ele também investigou o mundo dos surdos e da linguagem de sinais em “Vendo Vozes”, e uma rara comunidade de daltônicos em “A Ilha do Daltônico”. Sacks tornou-se um autor de best-sellers e premiado em todo o mundo, com escritos que deram voz, rosto e ação a pacientes com doenças crônicas, às vezes incomuns e graves. Seu último livro originou-se de artigos publicados no New York Times, descrevendo sua alegria com a experiência de vida além de seu próprio drama na luta contra um melanoma ocular, diagnosticado pela primeira vez em 2006, que revelou metástases em janeiro de 2015. Chamava-se “Gratitude” e era uma publicação póstuma. Infelizmente, Oliver Sacks faleceu em 30 de agosto de 2015, aos 82 anos, mas seu legado literário continua vivo por toda a eternidade.

Carl Sagan (1934-1996)

Por meio da série de televisão “Cosmos”, o astrofísico Carl Sagan conseguiu transmitir melhor do que ninguém sua admiração pelo Universo a 400 milhões de pessoas em mais de 60 países. Ele era um comunicador nato que fez o mundo olhar para o céu com curiosidade para planetas, estrelas, galáxias, etc. Além de seu sucesso na TV, Sagan ganhou o Prêmio Pulitzer de Literatura de Não Ficção Geral de 1978 por “Os Dragões do Éden”. Sagan foi professor de Astronomia e Ciências Espaciais na Cornell University e pesquisador do Jet Propulsion Laboratory (JPL) do California Institute of Technology. Ele participou da primeira missão do programa NASA Mariner a Vênus, e até instruiu os astronautas do programa Apollo antes de partirem para a Lua. Um defensor ferrenho da busca por vida alienígena, Sagan preparou as mensagens (potencialmente compreensíveis para qualquer inteligência extraterrestre) lançadas ao espaço na sonda Pioneer 10 em 1972 e nas duas sondas Voyager em 1977. Também foi ideia dele que a Voyager 1, a uma distância de seis bilhões de quilômetros, girasse sua câmera e tirasse a famosa fotografia da Terra em 1990 conhecida como “Pálido Ponto Azul”. A divulgação científica era só uma parte da brilhante carreira de Sagan, mas ele adorava fazê-la: “Não explicar a ciência me parece perverso. Quando você está apaixonado, você quer contar isso para todo mundo”.

Richard Dawkins (1941)

Se há uma obra essencial para a compreensão da evolução, deve ser “O Gene Egoísta”. O primeiro livro do biólogo evolucionista Richard Dawkins consegue explicar o papel dos genes na evolução, descrevendo como eles competem e, simultaneamente, cooperam na geração da biodiversidade. Tão claro foi seu entendimento de que pesquisa e popularização devem andar de mãos dadas que, além de se tornar professor de zoologia em Oxford, conseguiu ser o primeiro titular da cátedra para o entendimento público da ciência na universidade. Numa entrevista ele explicou a sua vocação de divulgador da ciência: “A maravilhosa compreensão científica do mundo, do Universo – e no meu caso, especialmente, da vida – é tão imensamente excitante, emocionante, poética, que seria uma pena se alguém fosse para o túmulo sem poder apreciá-la. Por isso, sinto um enorme desejo de ensinar às pessoas como a ciência é maravilhosa”. Dawkins acredita que a mistura de espanto e admiração é o que leva os cientistas a descobrir tudo o que puderem sobre como o mundo funciona.

Stephen Jay Gould (1941-2002)

“A ciência precisa ser entendida por todos, não apenas por razões de bem-estar público, mas porque é tão emocionante, excitante e inspiradora”, disse Stephen Jay Gould, um biólogo evolucionista e um dos autores de ciência popular mais influentes e amplamente lidos de sua geração. A melhor estratégia de Gould sempre foi atrair a curiosidade natural de seus leitores. Dessa forma, ele explicou os conceitos mais complexos da biologia, a partir de questões como “Por que nenhum animal se move sobre rodas?” ou “Como algumas moscas podem desenvolver pernas na boca?” ou “As zebras são brancas com listras pretas ou pretas com listras brancas?” Graças a essa linguagem ousada, mas simples, ele cativou seus leitores e se tornou um dos maiores divulgadores científicos de todos os tempos. De 1974 a 2001, Jay Gould escreveu a coluna “This View of Life” para a revista americana Natural History. Nela, manteve acesa a chama dos ensaios, combinando o encanto do texto subjetivo com o rigor da argumentação científica. Em um de seus últimos ensaios, ele usou sua própria doença, um tumor abdominal do qual sofreu por anos, para explicar as estatísticas e como isso o ajudou a acreditar que poderia sobreviver mais do que os oito meses que lhe foram atribuídos pelos médicos. Sua hipótese deu certo e ele conseguiu lutar por mais 20 anos contra a doença, até que em 2002 faleceu em casa de uma doença diferente, rodeado por seus fósseis e seus livros.

Paul Zaloom (1951)

Quem cresceu na década de 90 deve se recordar de Beakman, o cientista interpretado pelo ator Paul Zaloom, que contava com a ajuda de Lester, o atrapalhado rato gigante, Rosie, sua assistente, e Ney, a “mãozinha” que alcançava vários itens como o “bugoscópio”, fundamentais para a magia acontecer. Crianças, adolescentes e até mesmo adultos mandavam mil cartas por semana com perguntas instigantes sobre o Universo, que funcionavam como ganchos para a realização de experiências, sempre abordadas de maneira divertida pela equipe para explicar tais fenômenos. Muitas dúvidas que pareciam cabeludas ou complexas de serem respondidas eram esclarecidas numa linguagem direta e bem-humorada, aproximando os pequenos de temas importantes e alimentando a sua curiosidade sobre o mundo ao seu redor. Infelizmente, o “Mundo de Beakman” chegou ao fim em 1997, após 91 episódios. Nos anos que seguiram o fim das gravações, Zaloom se dedicou a escrever e executar performances de ventriloquismo (a arte de fazer um boneco falar de maneira que ele pareça ter vida própria) e a dar palestras ao redor do mundo contando sua experiência interpretando o personagem que inspirou toda uma geração de futuros cientistas a se apaixonar pela ciência.

Neil deGrasse Tyson (1958)

Neil deGrasse Tyson descobriu seu amor pelas estrelas desde muito cedo. Quando ele tinha nove anos, ele fez uma viagem ao Planetário Hayden, onde experimentou pela primeira vez a observação de estrelas. Mais tarde, ele se tornaria o diretor do planetário. Além de seu trabalho no planetário, Tyson encontrou outras maneiras de transmitir o conhecimento científico para as massas. Ele levou sua mensagem ao rádio, servindo como apresentador da série de documentários NOVA ScienceNow e do podcast StarTalk Radio. Em 2014, apresentou a série “Cosmos: Uma Odisseia no Espaço-Tempo”, uma continuação da série “Cosmos: Uma Viagem Pessoal” de Carl Sagan que encantou o mundo. Tyson também escreveu vários livros de divulgação científica para o público em geral e foi uma das vozes ativas no rebaixamento de Plutão para a categoria de planeta anão. Seu humor perspicaz e carisma natural o tornaram o divulgador científico mais popular do século XXI. Assim como Carl Sagan, ele se destaca por apresentar ao público as maravilhas do Universo com um tom acessível que qualquer pessoa pode apreciar. Inspirando milhões de crianças e jovens pelo mundo, Tyson defende a ciência e o método científico na sociedade e é uma voz forte nas questões de equidade e acesso para pessoas de todas as origens com as quais a ciência luta hoje, e com as quais continuará a lutar por muito tempo.

Leia mais artigos da série doze mentes brilhantes:

A série doze mentes brilhantes celebra a memória e o legado dos maiores cientistas, filósofos e comunicadores científicos de todos os tempos. O mundo hoje habita na morada do avanço científico em diferentes setores da ciência por causa dessas personalidades.

As doze mentes mais brilhantes da história da ciência

As doze mentes mais brilhantes da história da astronomia

As doze mentes mais brilhantes da história da física

As doze mentes mais brilhantes da história da matemática

As doze mentes mais brilhantes da história da biologia

As doze mentes mais brilhantes da história da química

As doze mentes mais brilhantes da história da medicina

As doze mentes mais brilhantes da história da genética

As doze mentes mais brilhantes da história da paleontologia

As doze mentes mais brilhantes da história da geologia

As doze mentes mais brilhantes da história da computação

As doze mentes mais brilhantes da história da astronáutica

As doze mentes mais brilhantes da história da literatura de ficção científica