Em 2020, o “Dr. Cloroquina” Didier Raoult recebeu o prêmio Rusty Razor de pseudociência

0
477

Publicado no The Skeptic

O microbiologista francês Didier Raoult foi eleito o ganhador do “Rusty Razor” (“Navalha Enferrujada”, em português – uma paródia a Navalha de Occam), em 2020, o prêmio dado pelo The Skeptic aos piores promotores da pseudociência do ano.

O cientista ganhou as manchetes em todo o mundo no início do ano passado por seu estudo que promove o uso do medicamento hidroxicloroquina, utilizado contra a malária, como tratamento para a COVID-19. O estudo, que afirmava que a hidroxicloroquina reduzia a carga viral em pacientes com COVID-19 e que esse efeito era potencializado com o co-tratamento com azitromicina, foi apresentado à mídia por meio de entrevista coletiva em março de 2020, antes de ser publicado no jornal International Journal of Antimicrobial Agents.

A análise subsequente dos dados de Raoult descobriu que o tamanho da amostra era incrivelmente pequeno, com apenas 6 pacientes recebendo a combinação de hidroxicloroquina/azitromicina. O estudo também foi indevidamente controlado e os dados foram excluídos para vários pacientes cuja condição piorou quando foram transferidos para a terapia intensiva ou morreram. Os estudos subsequentes não mostraram nenhum benefício clínico para o uso de hidroxicloroquina em pacientes com COVID-19.

Depois que o estudo de Raoult inspirou um surto de interesse no uso da hidroxicloroquina, o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, endossou o medicamento, promovendo-o no Twitter dezenas de vezes. Notavelmente, quando o próprio Trump inevitavelmente contraiu COVID-19, ele não tomou hidroxicloroquina – no entanto, o mesmo não pode ser dito do presidente brasileiro e também fã de hidroxicloroquina Jair Bolsanaro, que teria recebido o medicamento enquanto se recuperava do vírus.

O editor da The Skeptic Michael Marshall disse: “Recebemos muitas nomeações este ano de líderes mundiais como Donald Trump e Jair Bolsanaro, por promover curas pseudocientíficas de COVID-19 – e em cada caso, sua ‘cura’ ineficaz mais proeminente foi a hidroxicloroquina, como uma consequência direta do estudo de Raoult”.

“É difícil encontrar um exemplo de charlatanismo que se espalhou tanto como esse, influenciando a resposta da saúde pública a uma pandemia mortal e criando confusão generalizada em todo o mundo”, diz Marshall. “Por sua promoção da hidroxicloroquina e a ciência lixo que formou a base dessa promoção, Raoult é um digno vencedor do Prêmio Rusty Razor de 2020 de pseudociência”.

O Prêmio Occam 2020 de Ativismo Cético foi para a brasileira Dra. Natalia Pasternak por seu trabalho incansável no Brasil durante a crise da COVID-19, enquanto o Prêmio Escolha do Editor foi para o Skeptics in the Pub Online por seu apoio à comunidade cética do Reino Unido durante um ano extremamente atípico.

Assista à cerimônia de premiação novamente