Uma campeã mundial como Beth Harmon: a história de Vera Menchik, a primeira dama do xadrez

0
111

“Nós, mulheres, não temos passado no xadrez. Mas temos presente e futuro!” — Vera Menchik

Nos últimos meses, O Gambito da Rainha conquistou o mundo como uma tempestade. A história de uma jovem, Beth Harmon, que escapa da infância difícil graças ao seu imenso talento no xadrez e vence os melhores homens em seu jogo, chamou a atenção em todo o mundo. Graças a esta minissérie da Netflix, muitas pessoas que não sabiam a diferença entre uma torre e um cavalo descobriram um interesse pelo xadrez. Mas e se eu lhe contar que muitos anos antes dos tempos descritos em O Gambito da Rainha, muito antes da Segunda Guerra Mundial, uma história semelhante já aconteceu na vida real?

Vera Menchik foi a primeira campeã mundial feminina de xadrez e sua ascensão à fama nas décadas profundamente patriarcais de 1920-1930 foi em muitos aspectos ainda mais surpreendente do que a da fictícia Beth Harmon nos anos 1950-1960. Ela abriu o caminho para outras mulheres, como Nona Gaprindashvili e Maia Chiburdanidze, que puderam competir com Grandes Mestres do sexo masculino, e mais tarde Judit Polgár, que chegou ao Top 10 dos melhores do mundo e disputou a fase final do Campeonato Mundial de Xadrez FIDE de 2005. Graças ao seu imenso talento no xadrez, Vera conseguiu algo que era impensável na época – desafiar os melhores jogadores masculinos da época no xadrez. Infelizmente, ela está quase esquecida hoje. Dado o interesse renovado no xadrez feminino que O Gambito da Rainha gerou, é hora de revisitar a contribuição histórica de Vera Menchik para o xadrez.

Xeque-mate imperial

É difícil imaginar uma infância mais agitada do que a que Vera Menchik viveu. Ela nasceu em Moscou em 1906, quando a Rússia ainda era um império e sua família estava relativamente confortável. Sua família era dona de uma próspera fábrica e morava em um grande apartamento na cidade, e Menchik e sua irmã estudavam em uma escola particular. Então, quando Menchik tinha 11 anos em 1917, a Revolução de Outubro derrubou o czar Nicolau II. Enquanto muitos acreditam incorretamente que a transformação da Rússia em um Estado comunista foi rápida e eficiente, a verdade é que a família de Menchik experimentou violência e desordem quase constante durante esses tempos. Afinal, a família imperial, os Romanov (foto acima), governou a Rússia por séculos, e o súbito colapso não apenas do governo, mas de todos os elementos do Estado, transformou a Rússia em puro caos.

Menchik e sua família testemunharam o rápido desmoronamento da sociedade à medida que diferentes governos se formavam e caíam, e diferentes facções políticas e militares se enfrentavam em uma guerra civil que durou mais de cinco anos. A casa de Menchik, em Moscou, não estava isolada do caos. Houve julgamentos apressados ​​e execuções em massa, e muitas vezes os cidadãos não tinham ideia de quem estava realmente no comando em um determinado dia. Um choque e tanto para uma jovem pensativa como Vera Menchik.

Sobrevivendo à Revolução

Quando os bolcheviques tomaram o poder na Rússia, o país foi transformado em uma nação comunista. Tudo mudou para a família de Menchik de repente. Assim como muitas famílias ricas e de classe média na Rússia, eles eram considerados inimigos do Estado devido ao seu status “burguês”. A fábrica da família foi nacionalizada e assumida pelo governo, e eles foram forçados a dividir sua confortável casa em Moscou com várias outras famílias – e eventualmente tiveram que se mudar completamente.

Vera sofreu muito. Ela teve que parar de frequentar uma escola particular e teve que retomar seus estudos em uma escola sem aquecimento, água corrente ou eletricidade. Os alunos estudavam com casacos e chapéus à luz de velas e depois da aula tinham que caminhar quase uma hora na neve para voltar para casa. Essas condições eram insuportáveis ​​e os Menchik’s finalmente decidiram deixar sua casa. Neste momento, os pais de Menchik se separaram. As razões específicas são desconhecidas, mas considerando o estresse que a família estava passando, não é muito surpreendente. O pai de Vera voltou para sua casa na Boêmia enquanto Vera e sua irmã mais nova, Olga (foto abaixo), acompanhavam sua mãe à Inglaterra para recomeçar.

O xadrez como um refúgio

Vera Menchik foi apresentada ao xadrez por seu pai František Menčík. Ele deu a ela um tabuleiro de xadrez de presente quando ela tinha 9 anos e ensinou-lhe os fundamentos do jogo. Vera começou a jogar imediatamente – alguns anos depois, ela ficou em segundo lugar no torneio de xadrez da escola. Embora a mãe de Menchik fosse inglesa e ela tivesse visitado a Inglaterra quando criança, Menchik só falava russo. Depois que a Revolução Russa e o caos da guerra civil levaram a família a fugir, Menchik se viu na cidade de Hastings, na Inglaterra, com sua mãe e irmã. Ela não falava o idioma e achou extremamente difícil se ajustar à sua nova casa. Por conta disso, Menchik achou o aspecto “silencioso” do xadrez atraente e o adotou como um refúgio diante de todas as suas dificuldades. Para ela, o xadrez era um jogo silencioso e, portanto, o melhor hobby para uma pessoa que não falava a língua corretamente.

Menchik reuniu coragem para ingressar no Hastings Chess Club em 1923. Como ela já conhecia bem o jogo, não precisava falar inglês para estudar. Ela começou a ter aulas particulares com John Drewitt e eventualmente começou a estudar com o Grande Mestre Géza Maróczy. Incentivada por Maróczy, Menchik disputou o Congresso de Xadrez de Natal de Hastings de 1924/25 e empatou com a campeã britânica feminina da época, Edith Price (foto abaixo, à esquerda). Em 1925, ela teve a oportunidade de jogar dois matches contra Edith. Vera venceu ambos e passou a ser considerada a melhor enxadrista da Inglaterra. Mas, por não ser britânica, não pode participar dos campeonatos nacionais da Inglaterra. Em 1926, venceu o primeiro Campeonato Feminino Aberto de Xadrez organizado pelo London Imperial Club. Sua irmã Olga também se inscreveu e ficou em terceiro lugar.

A primeira dama do xadrez

Assim como Beth Harmon em O Gambito da Rainha, Vera Menchik se tornou uma força a ser reconhecida no xadrez desde muito jovem. Seu estilo de jogo próprio favorecia o brilho posicional e a habilidade às vezes incrível de atacar qualquer erro que seu oponente cometesse. Sob a tutela de Maróczy, Menchik se tornou uma jogadora muito forte. Depois de jogar em alguns torneios locais em Hastings, ela estava pronta para uma plataforma maior, e em 1927 aos 21 anos ela a encontrou: o Campeonato Mundial Feminino de Xadrez.

Menchik já era considerada uma das jogadoras mais fortes do mundo em 1927, e ela provou isso ao vencer o primeiro Campeonato Mundial Feminino de Xadrez de todos os tempos (título que manteve até sua morte 17 anos depois), com a impressionante pontuação de +10=1 (10 vitórias e empate). Ao longo dos anos, Menchik  defendeu com sucesso seu título em mais seis torneios de campeonato e um match, vencendo a maioria deles por uma grande margem. Quatro vezes – em Praga 1931, Folkestone 1933, Varsóvia 1935 e Estocolmo 1937 – ela conquistou o campeonato com uma pontuação perfeita, duas vezes com 14/14 (1933 e 1937),  uma vez com 9/9 (1935) e uma vez com 8/8 (1931).

No total, Menchik marcou 91½ pontos em 99 jogos que disputou no Campeonato Mundial Feminino de Xadrez, perdendo apenas três partidas em 12 anos. O único desafio sério à supremacia de Menchik no xadrez feminino foi a talentosa jogadora alemã Sonja Graf. Elas jogaram um match amigável em 1934 e outro pelo título do Campeonato Mundial Feminino de 1937 (Menchik venceu os dois). O mais perto que Graf chegou do título foi no Campeonato Mundial Feminino de 1939, onde terminou dois pontos atrás de Menchik, mas só depois de perder uma posição vitoriosa no confronto direto.

Os homens em xeque

Vera Menchik não foi a primeira mulher a jogar xadrez – nem mesmo a primeira mulher a jogar xadrez em um nível muito alto. Mas Menchik foi uma pioneira para as mulheres no jogo porque foi uma das primeiras a vencer regularmente seus oponentes masculinos, até mesmo jogadores de nível de Grande Mestre. Depois de vencer o Campeonato Mundial Feminino de Xadrez de 1927, Menchik se concentrou em entrar nos torneios de xadrez convencionais – o que significava torneios dominados por homens. Ela rapidamente estabeleceu que era mais do que capaz e, em 1929, foi convidada para jogar um torneio em Ramsgate e jogou de forma brilhante, empatando com o lendário Akiba Rubinstein pelo segundo lugar e terminando apenas meio ponto atrás de José Raúl Capablanca, “a máquina de jogar xadrez”.

Esse sucesso rendeu a Menchik o convite para participar do quarto torneio internacional de xadrez em Carlsbad, Tchecoslováquia, em 1929. Esse torneio contou com uma escalação incrivelmente forte: Capablanca, Rubinstein, Euwe, Nimzowitsch, Bogoljubov, Tartakower, Marshall, etc. Dos jogadores mais fortes do mundo, apenas Alekhine e Lasker estavam ausentes. O torneio acabou sendo o ponto alto da carreira de Aron Nimzowitsch – ele terminou em primeiro lugar com uma impressionante pontuação de 15/21. Vera Menchik foi a única mulher a ser convidada e, embora tenha marcado apenas três pontos em 21 jogos, o atual campeão mundial, Alexander Alekhine, elogiou seu desempenho e observou que com mais experiência ela seria uma “campeã internacional de alto nível”. Uma foto famosa do evento deixa claro o quão isolada Menchik estava – os 21 homens sentam-se juntos, relaxados, enquanto Menchik fica tensa e ligeiramente afastada, inclinando-se para longe dos outros jogadores.

A fundação do Vera Menchik Club

Carlsbad 1929 foi o primeiro super torneio de Menchik, e todos esperavam que ela terminasse em último. A única questão era quantos pontos ela seria capaz de marcar. O enxadrista austríaco Hans Kmoch imprudentemente declarou antes do início do torneio: “Se Menchik marcar mais de três pontos, estou entrando no balé feminino!”. Menchik deve ter sentido pena de Kmoch: ela marcou exatamente três pontos.

No entanto, ela não poupou outro vienense, Albert Becker. Depois de um cansativo dia de partidas, o sorridente Professor Becker fez a seguinte proposta para os demais enxadristas homens: “Senhores, tenho uma ótima ideia. Sugiro formar um clube com o nome de Vera Menchik. Aqueles que conseguirem perder um jogo para ela se tornarão membros plenos do clube. Aqueles que empatarem serão considerados candidatos a sócios”. O que Becker não esperava era que, na terceira rodada, ele perderia para a campeã mundial feminina. Vera Menchik não apenas ganhou a partida – ela produziu uma obra-prima de jogo posicional! Muitas risadas foram ouvidas depois da partida e os demais enxadristas do torneio entoaram o coro: “Parabéns, Professor Becker! Você está oficialmente eleito Presidente do Vera Menchik Club!”.

Sacrificando a dama para salvar o rei

Nos 15 anos seguintes, Menchik jogou em algumas dezenas de torneios com os homens. Normalmente, ela terminaria na metade inferior da tabela nos torneios mais fortes, como Hastings ou Margate, mas geralmente com algumas vitórias sobre Mestres e às vezes contra um ou dois Grandes Mestres: por exemplo, ela derrotou o ex-campeão mundial Max Euwe e o fortíssimo campeão britânico Mir Sultan Khan em Hastings 1931/32. Em 1937, quando Menchik tinha 31 anos, ela se casou com Rufus Henry Streatfield Stevenson. Os dois se conheceram através do xadrez – Stevenson era uma personalidade do xadrez de força moderada no jogo que fora casado com Agnes Lawson Stevenson, uma jogadora muito forte e ativa em torneios de xadrez. Ele e Menchik se casaram alguns anos após a morte de Agnes e, segundo todos os relatos, seu breve casamento foi feliz.

O casamento foi breve porque Stevenson estava cronicamente doente quando ele e Menchik se conheceram e sua saúde continuou a piorar. Menchik tomou a difícil decisão de se retirar dos torneios em 1937 para cuidar de seu marido doente. Isso continuou em 1938, o que fez com que Menchik perdesse muito tempo de jogo competitivo enquanto cuidava de Stevenson. Menchik jogou um pouco durante este período. Após se casar com Stevenson, ela finalmente conquistou sua cidadania britânica, para que ela pudesse participar do Campeonato Britânico de Xadrez e representar a Inglaterra em competições internacionais. Stevenson sofreu um ataque cardíaco fulminante em 1943 e morreu – e Menchik perdeu vários meses enquanto se recuperava do choque dessa perda. O que ela poderia ter realizado se jogasse em sua capacidade total durante este período é algo que nunca iremos saber.

Fim de jogo

Em 1944, Vera Menchik tinha vivido bastante. Nascida na Rússia imperial, ela experimentou a Revolução Bolchevique em primeira mão, viu sua família perder tudo, mudou-se para um país estrangeiro onde não falava a língua e então se estabeleceu como a melhor jogadora de xadrez do mundo. Ela se casou em 1937, mas perdeu o marido poucos anos depois. Aparentemente destinada a viver uma vida de empolgação, Menchik estava morando em Londres com sua irmã Olga e sua mãe quando a Segunda Guerra Mundial estourou.

Londres estava sendo violentamente bombardeada pelos nazistas nos primeiros dias da guerra, uma estratégia conhecida como Blitz. Adolf Hitler pensava que seria capaz de invadir da França e queria aterrorizar e enfraquecer a Inglaterra tanto quanto possível. Mas, à medida que a guerra avançava, os bombardeios cessaram – até 1944, quando a Alemanha lançou uma segunda blitz chamada Operação Steinbock. A operação foi projetada para retaliar os bombardeios aliados que começaram a fazer a Alemanha sofrer. Infelizmente, um desses bombardeios em Londres tirou a vida de Vera Menchik. A campeã de xadrez participava de um torneio em Londres. Em 26 de junho de 1944, uma bomba alemã atingiu sua casa, matando ela e sua família instantaneamente – e destruindo todos os seus troféus de xadrez.

Um tempo fora dos holofotes

Após sua morte, jornais de xadrez na Grã-Bretanha e em todo o mundo publicaram obituários e artigos sobre Vera Menchik. No entanto, ela não foi o primeiro nem o último enxadrista campeão mundial a morrer durante ou imediatamente após a guerra – Lasker, Capablanca e Alekhine morreram na década de 1940 – e o nome de Menchik rapidamente desapareceu da memória pública. Seria de se esperar que muitos artigos e livros fossem publicados sobre ela, mas infelizmente não é o caso. A primeira grande biografia de Vera Menchik foi publicada em 1957 por outra campeã mundial feminina, Elisaveta Bykova (em russo). Por quase 60 anos foi o único livro sobre Vera Menchik, mas depois em 2016 surgiram duas biografias diferentes de Vera Menchik – uma de Robert B. Tanner, publicada pela McFarland (em inglês), a outra de Jan Kalendovský (em tcheco).

Este é um grande avanço, mas ainda é seguro supor que poucas pessoas tenham acesso a esses livros ou tenham visto algum jogo de Vera Menchik. Não podemos deixar de nos perguntar por que tão pouco foi escrito sobre a melhor jogadora de xadrez da primeira metade do século XX. Talvez Menchik ainda sofre de uma percepção tendenciosa que pode ser rastreada desde 1930 e a reação inicial a suas atuações nos torneios masculinos. Em uma época em que as mulheres ainda eram desprezadas e nem mesmo tinham direito a voto em muitos países, o aparecimento de uma forte jogadora de xadrez desafiou o status quo. Não é à toa que a imprensa tratou a participação de Menchik nos torneios masculinos como uma sensação – foi quase escandaloso.

Eterna forasteira

Na década de 1930, a maioria dos homens ficava muito feliz em minimizar os sucessos de Menchik e rir de seus fracassos. O estilo de Menchik era rotineiramente chamado de “chato” ou “enfadonho”. Suas vitórias sobre os famosos grandes mestres sempre apareciam nas revistas de xadrez, mas poucos de seus jogos contra os mortais inferiores apareciam. E, claro, toda a ideia do “Vera Menchik Club” é inerentemente sexista e degradante. Não ocorreu a ninguém sugerir, digamos, a formação de um “Clube Sir George Thomas”, embora Vera Menchik tivesse uma grande vantagem contra este mestre britânico.

Estranhamente, até mesmo as mulheres às vezes ridicularizavam Menchik, talvez sem querer. Há uma história frequentemente contada que, após a segunda derrota de Max Euwe para Menchik, sua esposa (foto abaixo) foi ao salão do torneio para verificar se as derrotas de Euwe não tinham motivação romântica. Quer essa história seja verdadeira ou não, certamente conseguiu acertar um soco tanto na mente quanto na aparência da campeã mundial feminina.

Finalmente, não ajudou o fato de Menchik ser considerada estrangeira em todos os países com os quais ela tinha uma conexão. A Grã-Bretanha nunca a aceitou completamente porque ela não nasceu lá, ela não falava tcheco apesar de representar aquele país em torneios, e ela não era russa, apesar de falar o idioma desde o nascimento. Menchik não pertencia a nenhum lugar a que ela fosse. Ela era a forasteira definitiva e é em grande parte por isso que ela não foi defendida por nenhum país, mesmo postumamente.

Muito antes de Beth Harmon, existiu Vera Menchik

Todas essas circunstâncias conspiraram para fazer de Menchik um alvo de constante desprezo e ridículo, ao qual ela resistiu estoicamente, graças ao seu temperamento naturalmente calmo e reservado. Nunca saberemos quantos pontos tudo isso lhe custou e o que ela poderia ter alcançado se não tivesse que suportar tais indignidades. As desvantagens adicionais que Menchik teve de superar raramente são mencionadas, mas tornam suas conquistas ainda mais impressionantes.

Vera Menchik abriu o caminho para as mulheres no xadrez, e ela o fez em uma época em que era quase impossível. Infelizmente, sua aspiração de mulheres jogando xadrez em igualdade com os homens ainda precisa ser realizada hoje, e é por isso que as lições da vida e das partidas de Vera Menchik ainda são tão relevantes hoje quanto eram há mais de sete décadas.

Alguns feitos notáveis da carreira de Vera Francevna Menchik Stevenson (16/02/1906-27/06/1944):

Aos 19 anos, derrotou Edith Price, campeã britânica feminina da época, em dois matches.

Aos 21 anos, venceu o primeiro Campeonato Mundial Feminino de Xadrez, tornando-se a primeira campeã mundial feminina da história.

Aos 23 anos, dividiu o segundo lugar no Torneio de Ramsgate de 1929 com o fortíssimo Grande Mestre Akiba Rubinstein, marcando 5 pontos em 7 possíveis e terminando apenas meio ponto atrás de José Raúl Capablanca, “a máquina de jogar xadrez”.

Aos 25 anos, venceu o terceiro Campeonato Mundial Feminino de Xadrez, com uma pontuação perfeita de 8/8 (8 vitórias em 8 jogos). Ela viria a repetir tal feito mais três vezes: em Praga 1931 (14/14), Folkestone 1933 (8/8), Varsóvia 1935 (9/9) e Estocolmo 1937 (14/14).

Foi a primeira mulher a desafiar os melhores jogadores de xadrez do mundo. Entre as suas melhores partidas, destacam-se as vitórias contra Max Euwe (ex-campeão mundial), Edgard Colle (onze vezes campeão belga de xadrez), Samuel Reshevsky (oito vezes campeão americano de xadrez), Frederick Yates (seis vezes campeão inglês de xadrez),  Sultan Khan (três vezes campeão britânico de xadrez) e Sir George Thomas (duas vezes campeão inglês de xadrez). 

Foi a primeira mulher a entrar no Hall da Fama Mundial do Xadrez, e uma das doze mulheres a já receber tal honra.

É, até hoje, a campeã mundial feminina de xadrez com o reinado mais longo da história, tendo mantido o título por 17 anos (de 1927 até 1944).

É, até hoje, a maior campeã do Campeonato Mundial Feminino de Xadrez, com 8 títulos oficiais conquistados (1927, 1930, 1931, 1933, 1935, 1937 I, 1937 II e 1939).

Entre a sua primeira participação no Campeonato Mundial Feminino de Xadrez em 1927 e a sua última defesa de título em 1939, marcou 91½ pontos em 99 jogos que disputou, perdendo apenas três partidas oficiais em 12 anos.

Dá o seu nome, desde 1957, à Taça Vera Menchik, o troféu que premia o time vencedor das Olimpíadas de Xadrez Feminino da FIDE.

Alguns feitos notáveis da carreira de Elizabeth Beth” Harmon (02/11/1948):

Aos 10 anos, derrotou todos os doze membros do clube de xadrez da Duncan High School em partidas simultâneas.

Aos 14 anos, venceu o Campeonato Estadual de Xadrez de Kentucky de 1963, derrotando jogadores fortíssimos como Townes (1724 pontos de rating), Sizemore (2050 pontos de rating) e Beltik (2150 pontos de rating e campeão estadual da época). 

Aos 15 anos, venceu o Torneio de Cincinnati de 1963, derrotando na final o fortíssimo Mestre Americano Rudolph.

Aos 17 anos, foi vice-campeã do Mexico City Invitational de 1966, derrotando os fortíssimos Grandes Mestres Georgi Girev (da União Soviética), Octavio Marenco (da Itália) e Diedrich (da Áustria).

Aos 18 anos, venceu o Campeonato de Xadrez dos Estados Unidos de 1967, derrotando na final o fortíssimo Grande Mestre Benny Watts (campeão americano da época).

Aos 19 anos, foi vice-campeã do Paris Invitational de 1967, derrotando os fortíssimos Mestres Internacionais A. Bergland (da Noruega), P. Darga (da França), S. Malovicz (da Iugoslávia) e R. Uljanov (da União Soviética).

Aos 20 anos, venceu o Moscow Invitational de 1968, derrotando todos os Grandes Mestres mais fortes do mundo – Hellstrom (da Suécia), Duhamel (da França), Flento (da Itália), Laev e Shapkin (da União Soviética) – e dois campeões mundiais – Luchenko (ex-campeão mundial) e Borgov (campeão mundial da época), ambos da União Soviética.

Entre a primeira partida do Campeonato Estadual de Xadrez de Kentucky de 1963 e a final do Campeonato de Xadrez dos Estados Unidos de 1966, permaneceu três anos seguidos sem perder uma partida sequer, até ser derrotada pelo campeão americano Benny Watts.

De novembro de 1963 a dezembro de 1966, perdeu apenas três partidas oficiais: a final do Campeonato de Xadrez dos Estados Unidos de 1966 (para Benny Watts) e as finais do Mexico City Invitational de 1966 e do Paris Invitational de 1967 (para Borgov).

Leia mais artigos sobre a série O Gambito da Rainha:

O Gambito do Rei: Beth Harmon existiu e seu nome era Bobby Fischer

A rainha que expôs a arrogância dos reis: assim como Beth Harmon, Judit Polgár vencia os melhores do mundo

O orgulho e a tristeza do xadrez: as trágicas semelhanças entre Paul Morphy e Beth Harmon

Uma garota no mundo dos homens: assim como Beth Harmon, Susan Polgár mudou a história das mulheres no xadrez

A primeira Grande Mestra: como Nona Gaprindashvili conquistou o mundo na época de Beth Harmon

O Gambito da Rainha: Vasily Borgov existiu e seu nome era Boris Spassky

As rainhas do jogo dos reis: conheça as Beth Harmon da vida real