O orgulho e a tristeza do xadrez: a vida de Paul Morphy e suas semelhanças com Beth Harmon

0
186

“Foi dito que Morphy foi ao mesmo tempo o César e o Napoleão do xadrez. Ele revolucionou o xadrez. Ele trouxe vida, força e beleza para o jogo em uma época em que uma era de monotonia estava prestes a se instalar e ele fez isso de uma só vez. Então ele desistiu para sempre. Apenas dois anos do início ao fim.”
— J. A. Galbreath, colunista da revista American Chess Bulletin

Em 1884, o astro do xadrez americano Paul Morphy foi encontrado morto em sua banheira, aos 47 anos. “O orgulho e a tristeza do xadrez se foram para sempre”, escreveu o mestre austríaco Wilhelm Steinitz em uma elegia, no ano seguinte. Morphy começou a ganhar torneios em toda a cidade em sua cidade natal, Nova Orleans, aos nove anos de idade. Aos vinte anos, ele era o campeão dos Estados Unidos e, aos vinte e um, muitos o consideravam o melhor jogador do mundo. Mas Morphy ficou entediado; ele era tão talentoso no xadrez que começou a considerá-lo um jogo de criança. Ele se afastou da competição e abriu um escritório de advocacia, mas o negócio faliu rapidamente. Ele passou suas últimas duas décadas vivendo como um vagabundo com o dinheiro da família, ficando cada vez mais paranoico e assombrado por sua antiga fama.

A parábola de Paul Morphy e seu gênio dilapidado surge na metade do quinto episódio de O Gambito da Rainha, a bela e habilidosa minissérie da Netflix que conta a história de Beth Harmon, uma garota órfã prodígio do xadrez. Na cena em questão, Beth está falando com seu amigo e às vezes amante Harry Beltik, um campeão local de xadrez com dentes encapados e um comportamento nebuloso. Harry, que está morando com Beth para ajudá-la a treinar para uma partida contra o campeão mundial Vasily Borgov, em Paris, anuncia que ele está se mudando. Ele percebe que ensinou a Beth tudo o que sabe, e que, por sua vez, ela o ensinou que a paixão dele pelo jogo nunca se comparará à dela. Ao sair, ele entrega a ela uma cópia esfarrapada do livro “Paul Morphy e a Idade de Ouro do Xadrez”, de William Ewart Napier. “Você acha que serei assim?” Beth zomba, com uma protuberância tímida no queixo. “Eu acho que você é assim. Talvez, sempre tenha sido”, Harry responde. Mas Beltik realmente estava certo ao comparar a vida e o destino desses dois gênios prodígios do xadrez?

Derrotando reis

Paul Morphy aprendeu a jogar xadrez sozinho quando criança simplesmente observando seu pai e seu tio jogarem. Assim como Beth Harmon, Morphy começou a derrotar oponentes mais velhos ainda jovem. Em 1846, quando Morphy tinha apenas 9 anos, o general Winfield Scott, que tinha fama de jogador habilidoso, ficou em Nova Orleans por cinco dias, enquanto estava a caminho da Guerra do México. Ele pediu a um conhecido do clube de xadrez da Royal Street que o encontrasse um oponente digno e, às oito horas daquela noite, Scott se viu sentado em frente a Morphy, que usava uma camisa de renda e calça de veludo. Scott, acreditando ter sido vítima de uma pegadinha, levantou-se em protesto, mas seus amigos garantiram que Morphy não era uma piada. Após a garantia de que o jovem era realmente um digno desafiante, o general se viu facilmente derrotado, não uma vez, mas duas vezes – a segunda vez por um xeque-mate forçado após 6 lances.

Em 1849, aos 12 anos, Morphy deu xeque-mate no mestre de xadrez francês e campeão de Nova Orleans, Eugène Rousseau, em apenas 17 lances! Rousseau era considerado o segundo melhor jogador da América na época. O pai de Morphy enviou o jogo para o mestre internacional de xadrez Lionel Kieseritzky, que publicou todos os lances da partida em seu jornal de xadrez La Régence. No ano seguinte, Morphy enfrentou Johann J. Löwenthal, um refugiado político da Hungria que era bem conhecido nos círculos de xadrez europeus. Morphy, em seu vernáculo francês, descreveu a reação de Löwenthal ao perder para ele em uma palavra: comunique.

Hora de morphar

Morphy tinha uma memória impressionante, capaz de registrar todos os fatores que considerava pertinentes ao seu jogo – aberturas, defesas, até jogos inteiros -, mas também tinha uma compreensão intuitiva das possibilidades. Ele podia visualizar o tabuleiro com várias jogadas de profundidade, antecipando e capitalizando até mesmo o menor passo em falso. “A criança nunca havia aberto um trabalho sobre xadrez”, escreveu o tio de Morphy, Ernest Morphy, à La Régence. “Nas aberturas ele faz os lances certos como que por inspiração, e é surpreendente notar a precisão de seus cálculos no meio e no final do jogo. Quando sentado diante do tabuleiro de xadrez, seu rosto não atrai nenhuma agitação, mesmo nas posições mais críticas; em tais casos, ele geralmente assobia entre os dentes e procura pacientemente a combinação para tirá-lo do problema”.

Morphy entrou no Primeiro Congresso Americano de Xadrez, realizado em 5 de outubro de 1857 no New York Chess Club. Ele venceu seu primeiro jogo em 21 lances, quase em questão de minutos – e isso em uma era sem limite de tempo, quando os jogadores ponderavam por horas e os jogos duravam dias. Seu único verdadeiro concorrente foi um imigrante alemão chamado Louis Paulsen, que exasperou Morphy ao demorar até 75 minutos em uma jogada e vencê-lo em seu terceiro jogo. Antes do sexto jogo, Morphy jantou com o colega enxadrista William James Appleton Fuller. “Sua paciência se esgotou com a grande quantidade de tempo que Paulsen levava para cada lance”, lembra Fuller. “Seu temperamento normalmente equilibrado estava tão perturbado que ele cerrou os punhos e disse: ‘Paulsen nunca ganhará outro jogo meu enquanto viver.’” Morphy o venceu cinco vezes e venceu a competição, depois passou o mês seguinte em Nova York sendo festejado como um rei.

À procura do Borgov inglês

Depois de vencer o torneio nacional, Morphy imediatamente voltou seus olhos para a Europa, não muito diferente de Beth Harmon em O Gambito da Rainha. Ele mirou Howard Staunton, um inglês e indiscutivelmente o jogador mais respeitado da Europa (assim como o rival de Beth Harmon na série, o soviético Vasily Borgov). Em nome de Morphy, o New Orleans Chess Club arrecadou uma bolsa de US $ 5.000 e convidou Staunton para visitar a cidade para uma partida, prometendo-lhe US $ 1.000 para despesas caso perdesse. Ele recusou, alegando que Nova Orleans estava muito longe. Morphy planejou uma viagem à Inglaterra, com a intenção de entrar em um torneio em Birmingham e desafiar Staunton em seu próprio território, onde ele não poderia recusar. Mas quando chegou à cidade soube que o torneio havia sido adiado por dois meses.

Ele ficou de qualquer maneira e juntou forças com Frederick Milnes Edge, um jornalista extravagante que começou a atuar como agente de publicidade de Morphy. Edge gerou polêmica ao acusar Staunton de covardia na imprensa. Staunton, que era o editor de xadrez do Illustrated London News, respondeu sugerindo que Morphy era um aventureiro sem o apoio financeiro que alegava e, pior, que ele era um profissional, não um cavalheiro. Morphy tentou por três meses arranjar um jogo com Staunton, mas desistiu em outubro de 1858. Staunton é até hoje uma personalidade muito relevante para o xadrez. O modelo padrão de peças utilizado atualmente foi nomeado em sua homenagem, bem como a Abertura Inglesa e o Gambito Staunton.

Uma noite na ópera

Morphy partiu para Paris, onde ganhou um torneio “vendado”: ​​ele se sentou em uma sala do Café de la Régence enquanto seus oito oponentes se sentaram em outra. Os oponentes tinham os tabuleiros de xadrez, junto com vários outros jogadores que poderiam aconselhá-los; Morphy simplesmente enfrentou uma parede nua e gritou seus lances em um francês alto, claro e perfeito. Ele jogou por 10 horas, sem comida ou bebida, vencendo seis partidas e empatando duas. “Ele foi sacudido pela mão e elogiado até abaixar a cabeça em confusão”, relatou o New York Times. “Tal mente nunca existiu e, talvez, nunca existirá novamente”.

Ainda em Paris, Morphy foi convidado pelo Duque de Brunswick, Karl II, e seu amigo Conde Isouard, para jogar uma partida de xadrez durante a apresentação da ópera Norma de Bellini, no teatro Salle Le Peletier. A “Partida da Ópera”, disputada no camarote privado do duque, acabou se tornando uma das partidas mais famosas da história do xadrez. Nela, Morphy nos mostra a importância do rápido desenvolvimento das próprias peças, o valor dos sacrifícios nas combinações de xeque-mate e outros conceitos modernos de xadrez. Cada lance de Morphy no jogo desenvolve uma peça, cria uma ameaça ou captura uma peça inimiga, culminando num sacrifício de dama que leva a um xeque-mate inevitável no próximo lance.

Além de imortalizada no tabuleiro de xadrez, a “Partida da Ópera” também marca presença nos serviços de streaming e nos telões do cinema. A posição final da partida é mostrada em uma cena do episódio 6 de O Gambito da Rainha. Um filme biográfico sobre Paul Morphy lançado em 2019 leva o nome da partida imortal.

Coroado pelos súditos, destronado pela rainha

Morphy não cansava de fazer história na Cidade das Luzes. Em dezembro de 1858, ele desafiou o então campeão europeu de xadrez, Adolf Anderssen, para um match de 11 partidas. O resultado foi um massacre: 7 vitórias para Morphy, 2 empates e apenas 2 vitórias para Anderssen. Ao vencer o campeão do Torneio de Xadrez de Londres de 1851, Morphy se consolidava como o melhor enxadrista do mundo. Em um banquete realizado em sua homenagem em 4 de abril de 1859, uma coroa de louros foi colocada sobre a cabeça de um busto de Morphy, esculpido pelo escultor Eugène-Louis Lequesne. Ele então viajou para Londres, a convite da Rainha Vitória da Inglaterra. No duelo entre realezas, a Rainha deu xeque-mate no Rei, que galantemente deixou a majestade britânica ganhar a partida.

Morphy então deixou a Inglaterra e voltou para Nova York, onde foi homenageado na New York University. O procurador-geral de Nova York, John Van Buren, declarou Morphy o “campeão mundial de xadrez”. O jurista Oliver Holmes declarou que as “batalhas pacíficas de Morphy acrescentaram uma nova cláusula à Declaração de Independência dos Estados Unidos”. A nação estava ansiosa para lucrar com a fama de Morphy. Durante esse tempo, os charutos Paul Morphy foram criados, bem como um “Clube de Beisebol Morphy”. Os feitos enxadrísticos de Morphy não paravam de ecoar pela América e pelo resto do mundo.

O gênio efêmero

Mas Morphy ficou entediado com o jogo e sua fama o irritou. Ele parou de jogar seriamente em 1860 com 22 anos de idade e apenas 18 meses de carreira profissional (o que lhe rendeu a alcunha de “gênio efêmero”). Morphy via o xadrez apenas como uma atividade amadora indigna de ser perseguida como uma ocupação séria, e não gostava de ser caracterizado como um jogador profissional. Quando ele percebeu que o seu amado jogo havia se tornado um negócio, sua repulsa pelo profissionalismo o levou a abandonar os redutos do xadrez. Segundo ele, “o xadrez nunca foi e nunca pode ser nada além de uma recreação. Não deve ser indulgente em detrimento de outras ocupações mais sérias – não deve absorver a mente ou absorver os pensamentos daqueles que adoram em seu santuário; mas deve ser mantido em segundo plano e restringido dentro de seu domínio apropriado. Como um mero jogo, um relaxamento das buscas mais severas da vida, ele merece elogios. Não é apenas a mais agradável e científica, mas a mais moral das diversões”.

Morphy passou os anos seguintes a sua aposentadoria viajando, primeiro para Havana e depois para a Europa, permanecendo em Cádiz e Paris e recusando vários convites de clubes de xadrez. Ele tentou praticar a advocacia, mas teve pouco sucesso. O “gênio efêmero” era conhecido por suas habilidades no xadrez, não por suas habilidades jurídicas, e o público de Nova Orleans também questionou sua dedicação à Confederação, tornando-o uma escolha impopular para advogado. Isso foi uma pena, pois com sua mente maravilhosamente ágil Morphy poderia ter sido um bom advogado: ele foi admitido na ordem aos 19 anos, tendo memorizado quase todo o Código Civil da Louisiana, além de ter estudado matemática e filosofia e ter se tornado fluente em quatro idiomas.

Morphy ficou retraído, zangado e desconfiado. Ele vivia com medo de ser envenenado, comendo apenas alimentos preparados por sua mãe ou irmã, e acreditava que os barbeiros da vizinhança conspiravam para cortar sua garganta. Sua família tentou interná-lo em um asilo, mas ele argumentou sobre sua sanidade de forma tão convincente que as autoridades se recusaram a admiti-lo. Ele ficou mais delirante com o tempo, pedindo empréstimos às pessoas e recusando o dinheiro quando era oferecido. Durante todos esses anos de infortúnio, Morphy ainda amava o xadrez e continuou se informando sobre as notícias do jogo até sua morte. Aos 47 anos, ele foi encontrado morto em sua banheira, após sofrer um derrame.

O orgulho e a tristeza do xadrez

Morphy foi o orgulho do xadrez por causa de seu enorme talento. Morphy foi a tristeza do xadrez, em parte porque desistiu do jogo tão cedo. A loucura de Morphy tem sido fonte de muita consideração e teorização. O Gambito da Rainha joga com o tema da loucura do xadrez enquanto Beth Harmon usa o jogo para lidar com sua vida. No caso de Beth, a tristeza que ameaça minar seu orgulho não é o ódio pelo profissionalização do jogo. Ela ama o jogo, e desde cedo, como uma jovem órfã, ela começa a fugir das aulas no Methuen Home For Girls para jogar xadrez no porão com o zelador Sr. Shaibel. O xadrez, para ela, é um refúgio de todos os problemas que já enfrentou na vida: a morte das mães, o divórcio dos pais e o vício em álcool e pílulas tranquilizantes.

Agora, Beltik está correto em comparar os dois? Obviamente, sua afirmação é subjetiva, e muitos irão contestá-la, já que o personagem de Beth é único. Mas ela se parece com Morphy em alguns aspectos; ambos eram prodígios do xadrez americano com alguns problemas fora do tabuleiro. Felizmente, Beth não segue o caminho de destruição de Morphy na série e se abstém de se tornar o segundo “orgulho e tristeza do xadrez”.

Desde Morphy, outros jogadores famosos também se tornaram conhecidos por suas mentes perturbadas, causando uma associação entre o gênio do xadrez e a loucura. Que tributo a tensão mental do jogo exerce sobre um jogador? Um jogador de xadrez requer certa propensão à loucura e obsessão para se tornar um verdadeiro grande mestre? Morphy foi um louco ou simplesmente um excêntrico? Qualquer que seja o veredito da história, é sem dúvida verdade que Paul Morphy não seguia as regras habituais. Talvez em um futuro próximo, um prodígio de Nova Orleans se tornará a próxima sensação internacional do xadrez. Tudo depende de qual será seu próximo lance.

Alguns feitos notáveis da carreira de Paul Charles Morphy (1837-1884):

Aos 9 anos, derrotou o general americano Winfield Scott, em apenas 6 lances.

Aos 12 anos, derrotou o atual campeão de Nova Orleans da época Eugène Rousseau e o mestre húngaro Johann J. Löwenthal, aplicando xeque-mate no primeiro em apenas 17 lances.

Aos 20 anos, venceu o Primeiro Congresso de Xadrez dos Estados Unidos, derrotando na final o mestre alemão Louis Paulsen, um dos cinco melhores enxadristas do mundo na época.

Aos 21 anos, derrotou o fortíssimo mestre alemão Adolf Anderssen (atual campeão europeu da época), se consolidando como o melhor enxadrista do mundo na época.

Durante sua turnê europeia em 1858, derrotou 6 dos 8 mestres mais fortes de Paris, mesmo jogando de olhos vendados e sem ter nenhum acesso à qualquer tipo de comida ou bebida por 10 horas.

A “Partida da Ópera”, que jogou em 1858 contra o Duque de Brunswick, Karl II, e o Conde Isouard, é até hoje a partida de xadrez mais famosa de todos os tempos.

Entre a primeira partida do Congresso de Xadrez dos Estados Unidos de 1857 até a sua aposentadoria precoce em 1859, jamais perdeu um match sequer para qualquer adversário, tendo um placar positivo contra todos os jogadores que enfrentou.

Serviu como fonte de inspiração para vários campeões mundiais. Max Euwe o descreveu como um gênio do xadrez no sentido mais completo do termo”, enquanto Mikhail Botvinnik o classificou como o mestre insuperável das posições abertas”. Bobby Fischer o considerou o jogador mais preciso que já viveu” e defendeu que ele teria talento para vencer qualquer jogador de qualquer época se tivesse tempo para estudar teorias e ideias modernas”. Garry Kasparov o rotulou como o antepassado do xadrez moderno”, “o protótipo do forte Grande Mestre do século XX” e destacou seu mérito histórico de perceber a relevância do rápido desenvolvimento das peças, do domínio do centro e das linhas de abertura, um quarto de século antes de Wilhelm Steinitz formular esses princípios.

Alguns feitos notáveis da carreira de Elizabeth Beth” Harmon (1948):

 width=Aos 10 anos, derrotou todos os doze membros do clube de xadrez da Duncan High School em partidas simultâneas.

Aos 14 anos, venceu o Campeonato Estadual de Xadrez de Kentucky de 1963, derrotando jogadores fortíssimos como Townes (1724 pontos de rating), Sizemore (2050 pontos de rating) e Beltik (2150 pontos de rating e atual campeão estadual da época). 

Aos 15 anos, venceu o Torneio de Cincinnati de 1963, derrotando na final o fortíssimo Mestre Nacional Rudolph.

Aos 17 anos, derrotou os fortíssimos Grandes Mestres Georgi Girev (da União Soviética), Octavio Marenco (da Itália) e Diedrich (da Áustria) durante o Mexico City Invitational de 1966, terminando o torneio em 2º lugar.

Aos 18 anos, venceu o Campeonato de Xadrez dos Estados Unidos de 1967, derrotando na final o fortíssimo Grande Mestre Benny Watts (atual campeão nacional da época e considerado o enxadrista americano mais talentoso desde Paul Morphy).

Aos 19 anos, derrotou os fortíssimos Mestres Internacionais A. Bergland (da Noruega), P. Darga (da França), S. Malovicz (da Iugoslávia) e R. Uljanov (da União Soviética) durante o Paris Invitational de 1967, terminando o torneio em 2º lugar.

Aos 20 anos, venceu o Moscow Invitational de 1968, derrotando todos os Grandes Mestres mais fortes do mundo – Hellstrom (da Suécia), Duhamel (da França), Flento (da Itália), Laev e Shapkin (da União Soviética) – e dois campeões mundiais – Luchenko (ex-campeão mundial) e Borgov (atual campeão mundial da época), ambos da União Soviética.

Entre a primeira partida do Campeonato Estadual de Xadrez de Kentucky de 1963 e a final do Campeonato de Xadrez dos Estados Unidos de 1966, permaneceu três anos seguidos sem perder uma partida sequer, até ser derrotada pelo atual campeão nacional da época Benny Watts.

De novembro de 1963 a dezembro de 1966, perdeu apenas três partidas oficiais: a final do Campeonato de Xadrez dos Estados Unidos de 1966 (para Benny Watts) e as finais do Mexico City Invitational de 1966 e do Paris Invitational de 1967 (para Borgov).

Textos que inspiraram a criação desse artigo:

Paul Morphy, o orgulho e a tristeza do xadrez

Paul Morphy: a ascensão e queda de um mestre de xadrez

O domínio e a loucura de um campeão de xadrez

A história do mestre de xadrez Paul Morphy

O que fez Paul Morphy desistir do xadrez?

Frases sobre Paul Morphy

O Gambito da Rainha é o programa mais gratificante da televisão